Terça, 21 de Novembro de 2017

Apaixonadas por pescaria

5 ABR 2010Por 21h:47
THIAGO ANDRADE

Em vez de ficar em casa, enquanto os maridos saem para pescar, algumas mulheres arrumam a própria “tralha” – como é chamado o conjunto de equipamentos usados na pescaria – e vão para os rios em busca de grandes peixes e boas histórias. Embora seja uma atividade associada, principalmente, ao universo masculino, muitas mulheres têm conquistado seu espaço e mostram-se grandes conhecedoras desta arte em meio à natureza.
“Pesco desde criança, quando meu pai me levava para os rios da região e nós passávamos o dia ali, conversando e pegando peixes”, lembra Sônia Victório Faustino, gestora de saúde que mora, atualmente, em Dourados e sai para pescar com o marido sempre que possível.

Apesar de não pertencer a um grupo específico, Sônia habituou-se a pescar junto de familiares e amigos. “Em feriados mais longos, sempre vamos para o rio. É uma atividade que tranquiliza e acaba com o estresse. Ela também permite o entrosamento entre as pessoas”, defende.
Sônia conta que, quando era solteira, participava de um grupo de mulheres pescadoras. “Depois de casada, a gente acabou perdendo o contato e meu marido, primos e genros tornaram-se os principais companheiros de barco”, aponta. Atualmente, a pescadora admite que são poucas as mulheres que pescam. Segundo ela, se a mulher não tem o perfil adequado, dificilmente vai gostar desse hobby.

“Eu saio para pescar desde os nove anos. Acordava cedo e subia o rio com meu pai. Sempre foi algo que gostei”, explica. Embora a rotina tenha diminuído o tempo para a prática, Sônia conta que sempre procura locais alternativos. “Se não dá para viajar, procuro um pesque- e-pague. Mas não é a mesma coisa que passar o dia no barco”, garante. A última pescaria da qual participou foi na Páscoa do ano passado. “Não vejo a hora de fazer outra”, anima-se.
Amigas
O que começou como uma forma de diversão entre amigas, cresceu tanto, que se tornou um torneio com duração de cinco edições. A empresária Marinês Bertagnolli foi uma das responsáveis pela organização pelo evento. “Eu e algumas amigas nos reuníamos para pescar sempre que podíamos, até que um dia surgiu a ideia de realizar esse torneio. Era algo que faltava aqui no Estado”, lembra.

A primeira edição, que aconteceu em 1992, levou 12 mulheres para o distrito corumbaense de Albuquerque. “Sorteávamos as duplas por lá mesmo e íamos para o Rio Paraguai. Vencia quem pegasse o maior peixe e fisgasse a maior quantidade de exemplares nobres, como pintados, pacus e dourados”, conta Marinês. Na última vez que o torneio foi realizado, em 1995, 24 mulheres viajaram para o distrito.

“Isso mostra como as mulheres gostam de pescar”, aponta. Os encontros deixaram de ser realizados em consequência da dificuldade para organizá-los e pela falta de tempo. “Montei minha rotisserie e, atualmente, viajo pouco para pescar. No máximo, umas três vezes por mês”, relata.
Ela e suas amigas ainda se encontram para desbravar os rios sul-mato-grossenses em busca de peixes grandes e suculentos. “Deixamos os maridos de lado e vamos para a água. Já aconteceu de ficarmos uma semana no Rio Paraguai, em uma casa flutuante”, orgulha-se. Agora, quem fica à espera de Marinês em casa é o marido; mas, segundo ela, ele já se acostumou com as viagens da esposa.

Assim como Sônia, Marinês aprendeu a pescar na infância, acompanhando o pai. “Sempre gostei e fui aperfeiçoando. Garanto que pesco melhor que muito homem”, brinca. A pescadora lembra que, nas primeiras vezes que saiu com as amigas e seus maridos, os homens não as deixavam conversar “por medo de espantar os peixes”. Ela afirma que “foi isso que motivou as saídas só de mulheres. Fazíamos de pirraça”.

Leia Também