Domingo, 19 de Novembro de 2017

Alguns temperos tornam saladas ainda mais benéficas

30 MAR 2010Por 20h:17

De nada adianta encher um prato de salada e temperá-la com muito sal, molhos à base de queijo, maionese, ketchup, mostarda, etc. Embora as propriedades nutricionais das verduras e legumes não sejam perdidas, o prato pode ficar mais calórico que o desejado e também tão gorduroso quanto uma massa ao molho branco. Portanto, já que sua intenção é aproveitar da leveza que a alimentação natural proporciona é bom saber que existe uma maneira mais saudável para dar mais sabor e melhorar a aparência das saladas.

Antes de tudo vale ressaltar que algumas especiarias e ervas podem prevenir e aliviar problemas do organismo. Aprimorar a composição de verduras e legumes com substâncias biologicamente ativas, chamadas também de alimentos funcionais, é uma maneira de proteger contra doenças crônicas, incluindo as doenças cardiovasculares e vários tipos de câncer.

De acordo com a dra. Maria Del Rosario, médica nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), entre os temperos com substâncias benéficas encontram-se o azeite de oliva, o alho e a cebola, que têm propriedades anti-inflamatórias. Por outro lado, o vinagre e as ervas também são ótimos para diminuir a quantidade de sal utilizada no preparo dos alimentos, completa.

A médica alerta que a dieta dos brasileiros é caracterizada pelo excesso de sal, açúcares, gorduras e sódio, além de ser deficiente em nutrientes essenciais como zinco, selênio, vitaminas antioxidantes E, A e C e vitaminas do complexo B – provocando desequilíbrios na função imune, infecções crônicas, obesidade, ateroesclerose, alergias e câncer. É importante que a alimentação tenha sua composição otimizada em busca de efeitos protetores, explica.

 

Ingredientes que  fazem a diferença

· Azeite de oliva: É rico em vitamina E, gordura monoinsaturada e fitoquímicos. Protege o coração, ajuda a reduzir os níveis de LDL – colesterol (colesterol ruim), e aumenta o HDL – colesterol (colesterol bom). Pode controlar o diabetes, artrite reumatoide, evitar AVC (derrame cerebral) e câncer de cólon e mama. Como o processamento pode diminuir o conteúdo nutritivo, é importante dar preferência ao azeite menos processado, ou extravirgem.

· Vinagre: Quase não contém calorias, tornando-se uma alternativa perfeita para os molhos de saladas com baixo teor calórico. Uma porção de três a quatro colheres de chá/dia pode reduzir a reação da glicose no sangue, diminuindo a carga glicêmica dos alimentos. Ele também proporciona maior sensação de saciedade após as refeições, sendo especialmente útil para pessoas com sobrepeso e obesidade.

· Alho: Tradicionalmente é usado no tratamento de inúmeras doenças. Estudos dão ênfase ao seu potencial anti-inflamatório e de reduzir o risco de doenças cardiovasculares e câncer. As propriedades antioxidantes, assim como as antibacterianas e antifúngicas, também são importantes. Para ativar o poder nutricional do alho, depois de cortá-lo e amassá-lo, deixe descansar por 10 minutos antes de cozinhar. Dessa forma, se permite que a alicina e os compostos derivados se tornem ativos.

· Cebola: Rica em vitaminas B1, B2, C, e em antioxidantes. O cozimento e a alta temperatura pouco alteram as propriedades curativas. Quanto mais forte o sabor, mais potente o efeito protetor. Apresenta ação anti-inflamatória e regulariza a pressão arterial.

· Pimentas: Fontes de antioxidantes, especialmente betacaroteno e vitamina C. Também contêm bioflavonoides e capsaicina, substância que faz a pimenta arder, e que, de acordo com estudos recentes, pode atuar como anticoagulante.

· Salsa: É rica em betacaroteno, vitaminas C e do complexo B e ácido fólico. Apresenta minerais como cálcio, potássio, fósforo, enxofre, magnésio e ferro. Embora tenha sido utilizada para tratar muitas enfermidades, ela é mais conhecida atualmente pelas propriedades diuréticas e carminativas.

· Orégano e manjericão: Possuem propriedades antioxidantes e podem ser utilizados no lugar de temperos industrializados, que são, na maioria, ricos em sódio.

 

Alguns cuidados

Segundo a dra. Maria Del Rosario, as quantidades recomendadas pelos médicos devem ser respeitadas, dependendo principalmente das condições de saúde. Pessoas com doenças digestivas, como gastrite ou úlceras, têm restrição ao consumo de vinagre, ressalta a médica nutróloga. O alho cru também pode causar azia. Já o azeite de oliva extravirgem deve ser consumido com moderação, por causa do alto valor calórico.

Leia Também