Quarta, 22 de Novembro de 2017

Agricultor aposta na sorte e apenas 16% da área plantada no Estado tem seguro

14 SET 2010Por 09h:08

A baixa adesão ao seguro-agrícola pode expor ainda mais os agricultores às consequências do prolongamento da seca. Segundo o assessor da Famasul, apenas 16% da área plantada no Estado (448 mil dos 2,8 milhões de hectares) é segurada. Apesar de tímido, o número é maior do que a média nacional (11%).
Em 2008, a área segurada era de 10,9% dos 2,9 milhões de hectares, segundo o último relatório do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).
Para Lucas Galvan, produtores ainda preferem contar com a sorte e não pagar o prêmio do seguro (5,5% em média sobre a produtividade da lavoura). ‘É como o de carros, muita gente prefere não ter e correr riscos”, compara.
Outro fator da pequena adesão ao seguro é o baixo valor disponibilizado pelo Governo federal para subsidiar contratos. O agricultor pode ter ajuda dos caixas públicos para pagar metade do custo do seguro, em torno de R$ 900 por hectare.
Conforme o assessor, o montante disponível para essa subvenção neste ano é de R$ 260 milhões e a demanda dos agricultores brasileiros soma R$ 600 milhões. Na safra passada, o valor destinado pelo governo ao seguro-agrícola de MS (R$ 8,8 milhões) correspondeu a 2,6% do total pago pelos produtores (R$ 334,2 milhões).
“O governo precisa aumentar esses valores para estimular a procura por seguro. O ideal é chegar a R$ 2 bilhões em 2016”, opina Galvan.  (CHB)

Leia Também