Sábado, 18 de Novembro de 2017

Agência facilita processos de exportação

9 FEV 2010Por DA REDAÇÃO01h:52
Com o objetivo de eliminar um dos principais entraves no processo de exportação de produtos e serviços, que é a falta de informações sobre o setor, foi inaugurada ontem, na Casa da Indústria, em Campo Grande, uma unidade de atendimento da Apex- Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos. O serviço funcionará em função do apoio e da parceria envolvendo a CNI (Confederação Nacional da Indústria) e a Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul). Por meio do Centro Internacional de Negócios-CIN, o projeto vai ser desenvolvido com vistas a aproximar o empresário sul-mato-grossense dos serviços oferecidos para fomentar as exportações. O presidente da Fiems, Sergio Longen, acredita que, com a ajuda da Apex-Brasil, será possível que o empresariado local possa trabalhar com mais êxito na conquista de novos mercados para os nossos produtos. O gerente-geral de negócios Apex-Brasil, Sérgio Costa, disse na solenidade que “a estratégia é estar perto da indústria, levando em conta as necessidades descritas pelo CIN (Centro Internacional de Negócios) da Fiems e também os mercados prioritários para 2010, apontados pelo serviço de inteligência comercial da Apex-Brasil. A unidade está instalada na sede da Fiems. O que foi exportado Atua lmente, o Est ado tem 39 empresas ligadas aos projetos desenvolvidos pela Apex-Brasil e, desse total, 22 são exportadoras que, no ano passado, foram responsáveis por vendas externas de R$ 1,098 bilhão, o que equivale a 61,51% do total exportado por Mato Grosso do Sul de janeiro a outubro de 2009 (R$ 1,785 bilhão). As carnes desossadas de bovino são o principal produto de exportação, fechando, de janeiro a dezembro de 2009, US$ 326,925 milhões em negócios com outros países, o que equivale a 18,31% das vendas externas sul-mato-grossenses. Em seguida, aparecem grãos de soja (US$ 311,151 milhões ou 17,43% do total exportado), bagaços e outros resíduos sólidos da extração de óleo (US$ 184,018 milhões e 10,31%), pedaços e miudezas comestíveis de galos e galinhas (US$ 169,107 milhões e 9,47%) e açúcar de cana em estado bruto (US$ 154,596 milhões e 8,66%). Os principais destinos dos produtos sul-mato-grossenses em 2009 foram China (US$ 289,746 milhões), Rússia (US$ 186,628 milhões), Hong Kong (US$ 104,894 milhões), Argentina (US$ 102,544 milhões), França (US$ 96,712 milhões), Holanda (US$ 96,957 milhões), Arábia Saudita (US$ 80,559 milhões), Irã (US$ 79,298 milhões), Índia (US$ 54,350 milhões) e Bolívia (US$ 53,788 milhões).

Leia Também