Sábado, 18 de Novembro de 2017

Agência diz que não tem como cumprir lei

16 MAR 2010Por 08h:06
Às vésperas de vencer o prazo dado pelo juiz da 1ª Vara de Execuções Penais de Campo Grande, Francisco Gerardo, que determinou a transferência de 663 presos do Complexo Penal de Campo Grande, o diretor da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), Deusdete Souza de Oliveira Filho, admite que não tem condições de cumprir a decisão porque o sistema carcerário está superlotado. São 10.889 detentos quando a capacidade do sistema é para 5.739. Deusdete garante que a única alternativa para abrir novas vagas é a inauguração do complexo da Gameleira, em implantação em Campo Grande. No local, está prevista a criação de mil vagas, em três unidades nas quais os internos vão trabalhar no próprio estabelecimento, no regime intramuros. Com a inauguração dessa unidade, prevista para o final do mês, Deusdete diz que será liberado o presídio de Dois Irmãos do Buriti, hoje ocupado por detentos do semiaberto transferidos de Campo Grande. Outra aposta da Agepen para adiar a transferência dos presos, é que o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ/MS) derrube amanhã a decisão do juiz.

Leia Também