Domingo, 19 de Novembro de 2017

Adolescente é ferido e mulher, assassinada

9 FEV 2010Por EDILSON JOSÉ ALVES, PONTA PORÃ08h:28
Uma mulher foi morta a facadas e um adolescente baleado na madrugada de domingo, na linha internacional que divide Ponta Porã de Pedro Juan Caballero, no Paraguai. As duas vít imas estavam em um baile e teriam sido atacadas por uma mulher ainda não identificada. No início da madrugada, o Corpo de Bombeiros de Ponta Porã foi acionado para socorrer duas vítimas de tentativa de homicídio, na Avenida Internacional, área central da cidade. No loca l, Cariel i Aquino, 24 a nos, foi encont rad a já sem vida. O adolescente pa ragua io A rna ldo Cuevas, 14 anos, recebeu um tiro na perna. Ele foi encam i n h ado ao Hospit a l Regional. Cariele foi esfaqueada no lado esquerdo do peito, sendo que pelo menos um golpe atingiu o coração e provocou sua morte no próprio local. Já o adolescente foi levado ao hospital sob a proteção de uma guarnição da Polícia Militar. A mulher morta enfrentava problemas com drogas. SILVIA TADA E NADYENKA CASTRO Sete pessoas morreram em menos de 24 quatro horas, vítimas de acidentes ocorridos em Campo Grande e no interior do Estado. Somente na Capital, ontem dois pedestres morreram atropelados por motos. Um dos acidentes aconteceu no início da manhã e o outro, no meio da tarde. No interior, as outras mortes aconteceram nos municípios de Terenos, Miranda, Corumbá e Maracaju. Também ontem, ainda na Capital, por volta das 15h, um homem ficou ferido ao bater o Chevete que conduzia em um ônibus. Coophavilla Por volta das 7 horas, Wagner Alves da Silva, de aproximadamente 29 anos, morreu atropelado por uma motociclet a, na Aven ida Ma rech a l Deodoro, pró - x imo à rotatória do macroanel, na saída para Sidrolândia. A vítima tinha doença mental e caminhava no sentido bairro-centro. Segundo testemunhas, ele cambaleava e, às vezes, invadia a pista movimentada. O condutor da moto Honda 125 de placas HSZ-9231 seguia atrás de um caminhão e não percebeu a presença de Wagner, que foi atingido e morreu na hora. O motociclista Claudemar da Silva Campos e a passageira Lucilene Domingos Pereira tiveram lesões leves e foram encaminhadas para o posto de saúde pelo Corpo de Bombeiros. José Abrão Enquanto isso, no Conjunto José Abrão, bairro que fica na saída para Rochedo, Rosalino Alves Moreno, 70 anos, morreu após ter sido atropelado por uma moto. O acidente aconteceu à tarde, na Rua Teodoro Carvalho. Rosalino foi socorrido com vida, mas morreu após dar entrada na Santa Casa. A motocicleta era ocupada por duas pessoas que ficaram feridas. Albuquerque Por volta das 15 horas, no cruzamento das ruas Dr. Werneck e Júlio Werner, a colisão entre um Chevete um ônibus feriu Sidney Campos de Oliveira, 24 anos. Ele conduzia o carro de passeio que bateu na lateral direita do coletivo, que seguia pela preferencial. O Chevete teve a frente e a lateral esquerda destruídas, e foi parar na calçada do lado direito da Rua Dr. Werneck. A porta dianteira do veículo da empresa Serrana ficou danificada, assim como a escada e parte da frente. O ônibus quase atingiu o muro do lado esquerdo da via. No momento do acidente, havia 18 passageiros no coletivo, mas ninguém ficou ferido. O motorista, de 36 anos, que não quis se identificar, teve um corte no braço direito. O condutor do Chevete foi encaminhado para Santa Casa pelo Corpo de Bombeiros. No hospital, foi constatado que ele fraturou a clavícula, uma das mãos e ficou com diversas escoriações pelo corpo. Ele está consciente e no fim da tarde seria encaminhado para tomografia. O pai de Sidney, Sérgio Correa de Oliveira, disse que o filho havia pego o carro a uma quadra do local do acidente, para verificar se compensava comprá-lo, pois tinha intenção de adquiri-lo. Segundo Sérgio, o filho daria apenas uma volta no quarteirão com o Chevete. A dona de casa Carla Cabreira, 34 anos, conta que estava um pouco distante do local da colisão, mas ouviu o barulho causado pelo impacto. “Escutei o barulho e falei: foi batida. Quase toda semana tem uma aqui”, declarou. Cacos dos vidros que quebraram e pedaços dos veículos ficaram espalhados pelo asfalto. VALDENIR REZENDE

Leia Também