Quarta, 22 de Novembro de 2017

Acidentes fazem da Gury Marques avenida da morte

31 JUL 2010Por 16h:45
MICHELLE ROSSI | MILENA CRESTANI

O número de acidentes na Avenida Gury Marques, na saída para São Paulo, em Campo Grande, aumentou 141%. Foram 41 acidentes de fevereiro a junho do ano passado contra 99 no mesmo período deste ano. As estatísticas repassadas pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran) de Mato Grosso do Sul mostram ainda que o número de mortes também aumentou no período. Foram três mortes nos cinco meses citados e nenhuma no mesmo período de 2009. Ainda, se for considerado o mês de julho, foram mais duas mortes. O aumento coincide com a ativação da nova rodoviária, no dia 1° de fevereiro.  
Conforme o levantamento do Detran, foram 7 acidentes apenas com danos materiais de fevereiro a junho do ano passado e 30 no mesmo período desse ano. Já em ocorrências com vítimas, o número foi de 34 e passou para 69, ou seja, uma variação de 103%. O diretor-presidente da Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), Rudel Trindade, confirma que houve aumento no fluxo de veículos no local, mas alega isso não pode ser apontado como justificativa para aumento nos acidentes.
“Temos o problema dos acidentes envolvendo motocicletas em toda a cidade. Só nas últimas 24 horas (entre as noites de quarta-feira e de quinta-feira), três motociclistas perderam a vida em acidentes em diferentes avenidas da Capital. Esse não é um problema isolado da Gury Marques, mas de muitos outros pontos”, afirmou. Ele aponta as imprudências cometidas pelos motoristas como principal causa dos acidentes.
No entanto, apesar de não reconhecer o aumento no fluxo de veículos como causa dos acidentes, o diretor-presidente da Agetran admite a necessidade de intervenções no local para impedir abuso de velocidade. Inclusive, quando a rodoviária começou a funcionar, no dia 1° de fevereiro, várias mudanças foram feitas na via para garantir mais facilidade a travessia de pedestres.  
Já o major Alírio Vilassanti, comandante da Companhia Independente de Polícia de Trânsito (Ciptran), reconhece o problema. “É comum que em locais com maior fluxo de trânsito sejam maiores os números de acidentes”, disse. Entretanto, ele informou não haver projeto para reduzir as estatísticas. “Temos pensado a cidade como um todo. Não há ainda uma estratégia de prevenção de acidentes para a Gury Marques”, citou.

Providências
Além da sinalização e outras mudanças realizadas no local justamente por conta da nova rodoviária, a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) estuda mais medidas para que os condutores não abusem da velocidade na Gury Marques. O diretor-presidente do órgão, Rudel Espíndola, afirmou que daqui a 30 dias estarão funcionando dois novos pontos de fiscalização de velocidade na via.
O primeiro, exatamente em frente à rodoviária, com a instalação do Olho Vivo e radar, onde a velocidade máxima permitida será de 50 km/h. Em 90 dias, outro Olho Vivo deve estar funcionando na avenida, nas proximidades do Terminal de Transporte Coletivo Guaicurus. “Mas temos de frisar o seguinte: é necessário que haja mecanismos de fiscalização da velocidade no trânsito com os radares, mas a imprudência dos motoristas continua causando muitos acidentes”, disse.

Leia Também