Domingo, 19 de Novembro de 2017

Acesso ao crédito em MS cresce acima da média nacional

23 JUL 2010Por 22h:13
VERA HALFEN

O acesso ao crédito das famílias da região Centro-Oeste, e também em Mato Grosso do Sul, em julho, aumentou 3%, superando a média nacional, que ficou em 1,7%. A faixa de renda familiar até dez salários mínimos foi a que mais cresceu, elevando, também, o nível de endividamento.
Em Campo Grande, a facilidade de crédito levou os consumidores a adquirir grande volume de eletroeletrônicos, roupas e agasalhos. Um fator que impulsionou o aumento das compras a crédito foram as taxas de juros, ainda favoráveis, e prazos longos. Os prazos médios dos financiamentos fecharam em 17 meses – o quinto maior da série.
De acordo com pesquisa da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), sob estas condições, a média da concessão de novos recursos cresce, por enquanto, sem pressionar sistematicamente a inadimplência das pessoas físicas. A pesquisa da CNC aponta que, em junho deste ano, a taxa média de juros ao ano para compras a prazo alcançou os 41% – o terceiro menor nível desde 2000.

Liquidações
O presidente da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas), Ricardo Kuninari, explica que o forte calor que ocorreu em junho, somado aos dias de jogos do Brasil, levou à antecipação das liquidações.
Kuninari frisa que os empresários ficaram preocupados com as baixas vendas e iniciaram a liquidação. Prova disso foi o baixo volume de vendas em junho, que recuou cerca de 7%, se comparado ao mesmo período do ano passado. “Vendemos bem em maio, mas junho foi ruim. Aí, a chegada do frio na semana passada elevou as vendas”, diz. De acordo com Kuninari, até o dia 15 de julho, o volume de vendas de eletroeletrônicos e agasalhos cresceu em torno de 10%, compensando as perdas do mês anterior.

Dívidas
O cartão de crédito lidera a lista dos tipos de dívidas dos brasileiros em julho. Mais de 70% dos consumidores têm dívidas no cartão de crédito em julho. Apesar disso, o número das famílias inadimplentes ficou em 22,8% em julho, taxa menor que os 23,5% registrados um mês antes. De maneira geral, a Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor) revelou que, em julho, 57,7% dos consumidores do País estão endividados – número maior que o registrado em junho, quando 54% estavam nessa situação.

Leia Também