Quinta, 23 de Novembro de 2017

A hora certa de aprender idiomas

2 FEV 2010Por OSCAR ROCHA21h:20
É difícil contestar que o conhecimento de uma língua estrangeira pode abrir novas possibilidades, tanto no campo pessoal como profissional. Ao mesmo tempo, é quase consenso que, aprender outro idioma depende de série de fatores, que vai da aptidão de cada um à disciplina no processo de aprendizagem. Quem tem experiência no ensino, principalmente do inglês, diz que em qualquer fase da vida é possível aprender, mas aponta a necessidade de prestar atenção em certos detalhes inerentes a cada etapa. Quase todos os consultados são unânimes em defender o início do aprendizado nos primeiros anos da criança. “Ela tem bastante tempo disponível e disposição para receber novos estímulos. Quanto mais cedo o contato com o novo idioma, menor a barreira que exercerá a uma língua estrangeira”, aponta a coordenadora pedagógica do CCAA, Daniela de Souza Coimbra. “A criança aprende mais rápido e também tem facilidade com a pronúncia certa da palavra. O adulto, muitas vezes, confunde muito quando tem que aprender um outro idioma, mistura muito as palavras e isso, normalmente, não acontece com a criança”, avalia o coordenador pedagógico da Escola Fisk, Guido Nogueira Júnior. Porém, nem todos concordam que o ideal é começar tão cedo, principalmente se a carga horária for de poucas horas semanais. O proprietário e coordenador pedagógico do Instituto Cultural Americano, João Pereira dos Santos, acha que a forma eficaz de a criança aproveitar um curso de língua estrangeira seria a escola que possibilitasse “imersão total”, aquela na qual a criança teria todas as suas atividades repassadas num idioma estrangeiro. “Acho uma perda de tempo e dinheiro colocar uma criança de 4 ou 5 anos para aprender inglês duas horas na semana. Isso porque tudo o que ela aprende poderia muito bem ser repassado em um semestre, caso o aluno começasse com 10 anos, por exemplo. Agora, se o aluno ficasse numa escola em que o inglês aparecesse em tempo integral, seria a melhor forma de aprendizagem”, defende João. Ele acha que no fim da infância a criança pode absorver mais a gramática e a conversação. “Antes fica mais difícil porque ela não tem domínio de substantivo, verbo, conjugação, pronomes, entre outros”, aponta. Por sua vez, Daniela acha que o aprendizado pode ser feito da mesma maneira que uma criança aprende o português. “Primeiro a criança aprende a falar para, depois, com o passar do tempo, aprender as regras gramaticais”, defende. Guido aponta que a infância é o período em que a criança começa se acostumar com a língua. “Não se pode atropelar a criança, a aprendizagem tem que ser feita acompanhando a escola regular”. Bilíngue Em Campo Grande, há seis anos o Instituto de Educação Harmonia adotou o bilinguismo. Desde as séries iniciais, até o terceiro ano do ensino médio, os alunos frequentam um turno em que as atividades são desenvolvidas somente utilizando a língua inglesa – a escola conta com aulas no período integral. “É diferente de fazer somente um curso, aqui tudo é repassado na língua inglesa. Durante nossa experiência nesses anos vimos que quanto antes o aluno tiver contato com este idioma muito melhor para seu desenvolvimento”, destaca a orientadora educacional do colégio, Karla Serra. “Temos alunos de 5º e 6º anos praticamente falando com fluência o inglês”. Aqueles que têm contato com uma língua estrangeira somente na adolescência, muitas vezes não conseguem ter bom desempenho pela rotina de vida. “Grande parte dos adolescentes entra numa escola de idiomas obrigado pelos pais. Eles não veem necessidade urgente em aprender. Nessa fase dos 12, 13 anos, muitos não acham motivação real para aprender. Por isso as aulas com alunos dessa faixa etária precisam ser dinâmicas, lúdicas, com brincadeiras e jogos; não podemos repetir as aulas tradicionais das escolas, caso contrário, os jovens fogem”, diz Guido. Para Daniela, normalmente nessa faixa etária os adolescentes participam de diversas atividades, e isso dificulta estabelecer mais disciplina para melhor aproveitamento do aprendizado. “Não acontece com todos, mas isso pode ser verificado entre muitos”.

Leia Também