Sexta, 24 de Novembro de 2017

Surdez: novo tratamento com células-tronco recupera 46% da audição em cobaias

14 SET 2012Por sonoticiaboa.com.br03h:00

Um grupo de cientistas britânicos conseguiu devolver a audição a esquilos usando células-tronco embrionárias de seres humanos. Para eles, este é um enorme passo que poderá vir a ajudar pacientes com surdez incurável causada por danos nos nervos.

Esta quarta-feira, a equipe, coordenada por Marcelo Rivolta, da Universidade of Sheffield, no Reino Unido, salientou que o procedimento ainda precisa de passar por mais testes para garantir a sua segurança e eficácia a longo prazo, mas que, em qualquer dos casos, os resultados marcam um avanço significativo no campo da medicina regenerativa.

Os cientistas escolheram esquilos, em vez dos habituais ratinhos de laboratório, para os testes realizados porque a audição destes animais é semelhante à dos humanos. Eles receberam um fremédio, que danificou os seus nervos auditivos e, depois, cada um recebeu cerca de 50 mil células-tronco embrionárias, previamente "transformadas" em células dos ouvidos. Segundo o estudo, publicado na revista Nature, as célula-tronco humanas proporcionaram nos roedores uma recuperação de 46% na audição, medida através de sinais elétricos nos cérebros dos animais.

"Se estivessemos falando de um ser humano, esta recuperação significaria passar de um estado em que não se conseguia ouvir um caminhão passando na rua para outro em que se consegue manter uma conversa", explicou Rivolta aos jornalistas. "O que o nosso estudo mostra é uma recuperação funcional com recurso a células-tronco humanas, o que é único", disse à Reuters.

Como essas células são criadas apenas no útero materno, não há forma de as reparar se sofrerem danos, o que resulta numa incapacidade total de ouvir. Embora os implantes ofereçam uma solução parcial para o problema, não há tratamento para os danos nos nervos auditivos, responsáveis por cerca de 10% a 15% dos casos de surdez profunda.

De acordo com Rivolta, o novo tratamento poderá ser uma boa solução, tendo inicialmente como alvo os danos nervosos, mas tendo também potencial para ser usado num quadro mais amplo de pacientes, quando combinado com a utilização de implantes. Os primeiros pacientes poderão vir a receber "dentro de poucos anos" estas células-tronco, com vista à recuperação da audição, concluiu o investigador. Com informações da Reuters e da Nature.

Leia Também