Sábado, 29 de Abril de 2017

Carta

Sogro de Wanessa chama Rafinha Bastos de cretino

6 OUT 2011Por YAHOO14h:18

O pai de Marcus Buaiz, Americo Buaiz Filho, publicou no jornal Folha de Vitória, do qual é dono, uma carta aberta sobre o caso Rafinha Bastos. Nela, o empresário condena a piada do humorista envolvendo sua nora Wanessa, na qual dizia "Comeria ela e o bebê": “Como sogro, como pai, como avô, como empresário de comunicação e, principalmente, como cidadão, tenho crença de que a punição 'temporária' de não mais co-apresentar o CQC se torne permanente porque como telespectador foi um prazer não ver um cretino continuar se utilizando de um veículo de massa para satisfazer seu próprio ego”.

Leia na íntegra:
"Festejamos um tempo de novas tecnologias, de informações diversificadas e on line, do acesso ao mundo em tempo real. Assistimos uma geração crescer com novos referenciais (ou sem eles), alterando fronteiras, mas com dificuldades de perceber limites. A imagem frequentemente prevalece sobre a realidade e se projetam idealizações que nos fazem reféns de marcas, de comportamentos, do consumo compulsivo por tudo que nos é "imposto" pelo "outro" que toma um significado supervalorizado. Precisamos de ídolos que traduzam estas expectativas, que representem essa nova linguagem, essa nova forma de nos relacionarmos onde ferramentas como facebook e twitter são indispensáveis.

Rafinha Bastos surgiu (como mais um e de forma intensa) para responder essas demandas.  Irreverente, sem papas na língua, fez da bancada do CQC a tribuna para falar o que pensa, sem medir qualquer conseqüência, e o que muitos gostariam de dizer.  Tornou-se um fenômeno: acompanhado por milhões, capa de revistas, propagandista de sucesso de produtos voltados para os jovens. Foi de forma crescente liberando sua agressividade, seu potencial ofensivo e continuou sendo aplaudido e acreditando que fazer mais do mesmo seria uma fórmula para mantê-lo no “estrelato”. Travestido de crítico do politicamente correto e em nome do humor, se arvore o direito de romper qualquer limite de civilidade e transgredir o limiar do bom senso. Tal como um "viciado" que sente o prazer da droga, mas não consegue avaliar sua capacidade de destruição, seguiu atacando impunimente até que deu efetivas demonstrações de que perdeu o controle. Primeiro declarou que as "mulheres feias não teriam do que reclamar se estupradas e sim ficarem agradecidas". Depois e por último acrescentou ao comentário de Marcelo Tas de que Wanessa Camargo está muito bonitinha grávida que "comeria ela e o bebê. Eu não tô nem aí".

De uma só vez desrespeitou valores sagrados, agrediu mães no seu sublime sentimento de maternidade e pais que tem como missão cuidarem e preservarem seus esperados e indefesos bebês. Perdeu a dignidade, a compostura para não perder a piada infame e de mau gosto.Como sogro, como pai, como avô, como empresário de comunicação e, principalmente, como cidadão, tenho crença de que a punição "temporária" de não mais co-apresentar o CQC se torne permanente porque como telespectador foi um prazer não ver um cretino continuar se utilizando de um veículo de massa para satisfazer seu próprio ego. Os trapezistas não podem acreditar que voam e os criminosos têm que ser colocados à margem da sociedade.

Rafinha, você não está nem aí, mas nós estamos aqui!

Americo Buaiz Filho"
 

Leia Também