Promulgada emenda do fim do voto secreto

FOLHA PRESS28 de Novembro de 2013 | 15h35

O Congresso promulgou hoje a emenda constitucional que elimina o voto secreto nas cassações de mandatos dos congressistas e na análise de vetos da Presidência da República.

A mudança entra em vigor a partir da publicação da emenda no "Diário Oficial da União" -por isso já estará valendo nas futuras votações de cassações dos deputados condenados do mensalão.

Uma brecha na redação da emenda poderá ser usada futuramente para questionar as votações abertas. A redação aprovada pelo Senado retira da Constituição a expressão "secreta" nas votações de cassações, mas não explicita que ela deve ser aberta.

Em contrapartida, o regimento do Congresso mantém a redação de que a votação deve ser secreta. Um grupo de senadores acha que, se o regimento não for modificado, congressistas cassados em votações abertas poderão tentar anular a decisão legislativa.

A Câmara deve votar na próxima terça-feira um projeto de resolução para alterar o regimento -deixando claro que as votações de cassações são ostensivas, abertas. O projeto também deve retirar a previsão para que um parlamentar possa pedir sessão secreta para a análise de perdas de mandatos.

Presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) disse que a brecha na redação não será capaz de anular decisões futuras de cassações porque a Constituição tem mais força que o regimento do Congresso. Ontem, Renan tinha admitido a possibilidade, mas recuou hoje pouco antes de promulgar a emenda.

"A Constituição prepondera sobre qualquer regimento, tanto que promulgamos a emenda constitucional. Não há nenhuma [brecha], absolutamente, porque a Constituição prepondera, ela é a lei maior do país. O fundamental é que nós tenhamos voto aberto para cassação e apreciação de vetos. É isso que temos que comemorar", disse Renan.

Ao retirar a expressão "voto secreto" da Constituição, Renan disse que o Congresso transformou automaticamente o sistema de votações das cassações e vetos em aberto. "O texto, a regra geral, é voto aberto no Brasil salvo as exceções que a Constituição especifica.O regimento não vai revogar a Constituição, isso não existe." 

A Câmara deve analisar nos próximos meses, em votação aberta, as cassações de mandato de deputados condenados no mensalão, como José Genoino (PT-SP), Valdemar da Costa Neto (PR-SP), João Paulo Cunha (PT-SP) e Pedro Henry (PP-MT).

Promulgação

Ao promulgar a emenda, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), disse que o voto aberto vai permitir maior transparência nas decisões do Congresso, especialmente nas cassações de mandatos dos deputados e senadores -que tradicionalmente escapam de perder os mandatos em votações sigilosas. "Não há espaço no parlamento brasileiro para o obscurantismo de decisões envergonhadas e escondidas", disse Alves.

O Congresso decidiu votar e promulgar o fim do voto depois que a Câmara absolveu em votação sigilosa, este ano, o deputado Natan Donadon (sem partido-RO) -que está preso e foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal. Renan disse que a emenda é uma resposta aos protestos populares de junho, quando a população também cobrou o fim do voto secreto no parlamento. "Ganhou um país como um todo. O parlamento passa por processo de reaproximação com a sociedade. A promulgação dessa importantíssima emenda constitucional significa um avanço constitucional muito grande em nosso país", afirmou.

A promulgação ocorreu em sessão esvaziada do Congresso, com a presença de apenas quatro senadores e dois deputados -além dos membros das Mesas Diretoras da Câmara e do Senado. Continuam secretas as votações de autoridades indicadas pelo Poder Executivo e a escolha dos presidentes da Câmara e do Senado, assim como dos demais membros da Mesa Diretora das duas Casas.

Renan articulou a manutenção do sigilo nesses dois casos especialmente para manter o voto secreto na escolha dos presidentes da Câmara e do Senado. O senador se elegeu presidente em votação secreta no ano passado, depois que renunciou à Presidência do Senado em 2007 para escapar da cassação. Ele respondeu a uma série processos no Conselho de Ética, mas acabou absolvido duas vezes pelo plenário em votações secretas.

A ação de Renan teria como objetivo sua reeleição à presidência do Senado em 2015, quando termina o seu mandato. "Quem tem medo do voto aberto? A Mesa conduziu o processo o tempo todo para atender a sua própria vontade", afirmou o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF). 

Comentários
Mais de PolíticaInstituto LulaWagner chama ataque de 'terrorismo' e critica Polícia CivilMinistro da defesa fala de ataque à sede do Instituto Lula com uma bomba caseiraPolícia Federal vai investigar bomba no Instituto LulaINVESTIGAÇÃOPolícia Federal vai investigar bomba no Instituto LulaPolíticaDilma garante continuidade do Minha Casa, Minha Vida“Não há hipótese de o Programa Minha Casa, Minha Vida acabar"CRISETemer diz que posições radicalizadas não resolvem problemas do país"Para conseguir dirigir o país, é necessário governabilidade"
 Últimas Notícias  


  • Assinaturas:
    • (67) 3323-6100
  • Publicidade:
    • (67) 3320-0023
    • (67) 3323-6090
  • Empresa:
    • (67) 3323-6090
    • (67) 3323-6059
 Plataforma Desenvolvimento© Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.