Sexta, 24 de Novembro de 2017

Lipoaspiração pode aumentar a gordura visceral no corpo

10 MAI 2012Por terra12h:50

Um novo estudo sugere que mulheres que fazem lipoaspiração para chapar a barriga podem ganhar um tipo de gordura mais profunda, localizada dentro do abdômen – um tipo que é particularmente ruim para a saúde do corpo.

Pesquisadores brasileiros descobriram que alguns meses após a lipoaspiração abdominal, pode haver um aumento na gordura visceral que envolve os órgãos abdominais. A boa notícia, dizem eles, é que a prática regular de exercícios pode prevenir a formação dessa gordura mais profunda.

A gordura não é um tecido inerte, explicou a coordenadora do estudo, Fabiana Benatti, da Universidade de São Paulo (USP).

“Removê-la por meio de cirurgia pode ter consequências importantes, como o crescimento compensatório de gordura visceral, que pode ser prejudicial no longo prazo”, disse Benatti à Reuters Health.

A gordura visceral é particularmente indesejável porque está mais intimamente ligada a um aumento do risco de diabetes tipo 2 e de doença cardíaca, em comparação com a gordura abdominal superficial, localizada logo abaixo da pele.

O estudo atual, segundo a equipe do Benatti, parece ser o primeiro a dar “provas irrefutáveis” de que a gordura visceral se acumula após a lipoaspiração – pelo menos em pessoas que não se exercitam.

As conclusões baseiam-se no estudo feito com 36 mulheres de peso normal que se submeteram a lipoaspiração para retirar uma pequena quantidade de gordura superficial da barriga. Todas eram sedentárias antes do procedimento.

A equipe de Benatti selecionou aleatoriamente metade das mulheres para iniciar um programa de exercícios de dois meses após a lipoaspiração. Essas mulheres malhavam três vezes por semana, caminnhando na esteira e fazendo musculação leve, enquanto o resto manteve o estilo de vida habitual – sedentário.

Quatro meses depois, constatou a pesquisa, as mulheres que tinham permanecido sedentárias ainda estavam com a barriga chapada, mas já mostravam ganho de gordura visceral – um aumento de 10%, em média. Em contraste, as mulheres que tinham se exercitado não mostraram tal ganho, relataram os pesquisadores no periódico médio Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism.

Ainda não está muito claro porque a gordura visceral aumenta após a lipoaspiração, afirmam Benatti e seu grupo.

“Mas acreditamos que pode ser porque este depósito de gordura, em particular, é metabolicamente mais ativo do que os outros depósitos de gordura do corpo”, disse ela.

Outra razão, disse Benatti, pode ser porque a lipoaspiração destrói a "arquitetura" das células de gordura logo abaixo da pele. Assim, a gordura ganha após a cirurgia pode ser redirecionada para as células de gordura visceral, ainda intactas.

Em geral, os especialistas dizem que a lipoaspiração não deve ser vista como um substituto para uma dieta saudável e para a prática de exercício físico. Ela é indicada para reduzir acúmulos de gordura “teimosos”, não como um tratamento para a obesidade, afirma a Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (ASPS).

Na verdade, o grupo diz que os melhores candidatos para a lipoaspiração são pessoas com peso normal a moderadamente acima do peso, que fazem exercícios regularmente.

Com base nestas últimas descobertas, permanecer ativo após uma lipoaspiração é fundamental, afirmaram os pesquisadores brasileiros.

“Se alguém decide se submeter a uma lipoaspiração, é muito importante, se não essencial, fazer exercícios após a cirurgia.”

Os riscos conhecidos da lipoaspiração, em curto prazo, incluem coágulos sanguíneos, danos na pele ou nervos e pele solta ou “ondulada” na região onde a gordura foi removida. Mas pouco se sabe sobre se a lipoaspiração está relacionada com quaisquer problemas de longo prazo de saúde, apontam Benatti e sua equipe.

Leia Também