Indústria tem R$ 17 milhões em negócios com o Paraguai

CARLOS HENRIQUE BRAGA28 de Outubro de 2010 | 02h10
ÁLVARO REZENDE ÁLVARO REZENDE

Empresários e governos do Paraguai e de Mato Grosso do Sul estão empenhados em acelerar o intercâmbio comercial para desenvolver a indústria dos dois países. Grupo de 18 paraguaios fecharam R$ 17 milhões em negócios, ontem, no encontro realizado na Federação das Indústrias do Estado (Fiems), em Campo Grande. A troca comercial com o país vizinho é tímida, se levada em conta a proximidade. Ele ocupa a 19ª posição entre o destino das exportações sul-mato-grossenses e é o 11º entre os países de origem.

Entre janeiro e setembro, a participação do Paraguai nas exportações de MS foi de 0,89% (US$ 19,7 milhões do total de US$ 2,2 bilhões), de acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. De lá para cá vieram US$ 19,5 milhões em produtos, cifra que corresponde a 0,81% das importações no mesmo período (US$ 2,4 bilhões).

Para virar o jogo, o país rejeita o papel de "shopping de brasileiro" e oferece incentivos fiscais para atrair fábricas brasileiras. "É o que queremos evitar, queremos um relacionamento sincero e transparente", disse o ministro de Indústria e Comércio, Francisco Rivas, que estendeu esses preceitos à política e à cultura. "Precisamos construir uma relação melhor e derrubar barreiras, o Paraguai nos deu aval para isso", defendeu o presidente da Fiems, Sérgio Longen.

Os empresários vizinhos estão de olho principalmente nos setores de alimentos, florestas plantadas e sucroenergético. Na manhã de ontem, o governador André Puccinelli (PMDB) assinou protocolo de intenções para dinamizar negócios. Segundo ele, é preciso acabar com a "burrocracia" do Estado e municípios que emperra o comércio.

Imposto reduzido
A presença de indústrias brasileiras cresce em território paraguaio por causa dos incentivos oferecidos pela Lei de Maquila, que reduz a 1% impostos de importação de matérias-primas do Brasil. O empresário produz no exterior com custos reduzidos sem abrir mão do grande mercado interno brasileiro. "Isso tem atraído muitas fábricas, mas até mesmo sem a lei, os impostos no Paraguai não passam de 12% sobre o valor agregado", garante o diretor nacional do Ministério de Indústria e Comércio, Oscar Stark.

As exportações ao país sul-americano de commodities (mercadorias primárias vendidas na bolsa de valores) predominam na balança comercial, afirma a diretora da unidade local da Agência Brasileira de Promoção à Exportação (Apex), Andréa Afif. Exportadores estão livres de impostos e recebem até 80% de volta, em créditos, do tributo que pagam no Paraguai.

Comentários
Mais de EconomiaReceita vai divulgar arrecadação de setembro só depois das eleiçõesDivulgação desses dados deve ser feita na próxima quarta-feira, 29 de outubroA dois meses do Natal, preços de panetone variam até 15,5% <br> na CapitalFIM DE ANOA dois meses do Natal, preços de panetone variam até 15,5%
na Capital
Com tecnologia digital, nova linha de caminhões da Volvo encara qualquer tipo de pistaNova LinhaCom tecnologia digital, nova linha de caminhões da Volvo encara qualquer tipo de pistarisco de acidentesVolkswagen faz recall do Jetta por falha no eixo dianteiro A Volkswagen no Brasil  anunciou, nesta sexta-feira (24), um recall de 31.894 unidades do Jetta 2.0 Flex, ano e modelo...
 Últimas Notícias  


  • Assinaturas:
    • (67) 3323-6100
  • Publicidade:
    • (67) 3320-0023
    • (67) 3323-6090
  • Empresa:
    • (67) 3323-6090
    • (67) 3323-6059
 Plataforma Desenvolvimento© Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.