Fim de conflito está nas mãos do STF, dizem especialistas

AGÊNCIA BRASIL15 de Maio de 2012 | 00h01

Promotores, índios e fazendeiros da região oeste de Mato Grosso do Sul acreditam que apenas o julgamento, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), da ação cível ajuizada por pecuaristas em 1987 pode colocar fim à disputa que levou os índios kadiwéu a ocuparem ao menos 12 fazendas na região de Corumbá, a 430 quilômetros de Campo Grande.

“O conflito [na região] vai ser resolvido com o julgamento da ação que tramita no STF e cujo resultado os pecuaristas aguardam há 25 anos”, disse ontem (14) à Agência Brasil, o advogado Carlos Fernando de Souza, autor de pedidos de reintegração de posse de sete das fazendas ocupadas pelos índios.

Mas, para os procuradores Emerson Kalif Siqueira e Wilson Rocha Assis, que visitaram a área no último dia 10, os kadiwéu “reocuparam” as fazendas para chamar a atenção da Justiça a fim de uma solução definitiva para o prblema.

Segundo a assessoria do STF, o julgamento da Ação Cível Ordinária 368-7 é iminente, embora ainda não haja data para o julgamento. O processo está nas mãos do ministro Celso de Mello.

Comentários
Mais de ELEIÇÕES 2014Pesquisa CNT: Dilma tem 34,2% das intenções de voto; Marina, 28,2%; e Aécio, 16% Pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT)/MDA divulgada hoje (27) mostra a candidata Dilma Rousseff...Diretor do presídio federal de Campo Grande está entre os quatro que pediram demissãoCRISEDiretor do presídio federal de Campo Grande está entre os quatro que pediram demissãoEm reunião no Santo Eugênio, Antonio João diz que campanhas precisam ser honestascandidato ao senadoEm reunião no Santo Eugênio, Antonio João diz que campanhas precisam ser honestasRato morto é encontrado em pacote lacrado de cereal matinalInglaterraRato morto é encontrado em pacote lacrado de cereal matinal
 Últimas Notícias  


  • Assinaturas:
    • (67) 3323-6100
  • Publicidade:
    • (67) 3320-0023
    • (67) 3323-6090
  • Empresa:
    • (67) 3323-6090
    • (67) 3323-6059
 Plataforma Desenvolvimento© Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.