E-commerce fatura R$ 18,7 bilhões em 2011

DECISIONREPORT14 de Maro de 2012 | 13h35

O comércio eletrônico brasileiro teve bons resultados em 2011.  De acordo com a e-bit, empresa especializada em informações do e-commerce, o setor cumpriu o previsto e faturou R$ 18,7 bilhões, valor nominal 26% maior que o alcançado em 2010. O tíquete médio ficou em R$350, com 9 milhões de novos e-consumidores, sendo que, desse total, 61% são pertencentes à classe C. Dessa forma, chegamos a 32 milhões de consumidores que compraram, ao menos uma vez, via web.

Esses dados fazem parte da 25° edição do relatório WebShoppers, elaborado pela e-bit, com apoio da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net)  e da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio).O estudo também aponta as categorias mais vendidas do ano.

Em 2011, a preferência em adquirir produtos de maior valor agregado continuou, em decorrência dos preços competitivos e das facilidades de pagamento oferecidas pelas lojas virtuais. A novidade foi a ascensão nas vendas de moda e acessórios. No ranking das cinco categorias mais vendidas estão: Eletrodomésticos, Informática, Eletrônicos, Cosméticos e Perfumaria/Cuidados Pessoais e Moda & Acessórios, respectivamente.

Em 2012, o e-commerce deve continuar crescendo, no mesmo ritmo apresentado em 2011. Embora o mercado interno esteja aquecido, o cenário internacional poderá influenciar nos resultados. A crise na Europa, a previsão de redução no ritmo de crescimento chinês e o fato de a economia americana ainda estar se recuperando podem gerar algum reflexo negativo no ritmo de crescimento econômico, afetando o varejo como um todo.  Por outro lado a redução na taxa básica de juros e incentivos governamentais reduzindo impostos poderá equilibrar esse cenário.

O esperado é que até o fim do ano, o e-commerce atinja um faturamento de R$ 23,4 bilhões, valor nominal 25% maior que em 2011. Só no primeiro semestre, período em que historicamente acontecem 45% das vendas do ano, são esperados R$10,4 bilhões.

Compras Coletivas

O relatório traz ainda informações sobre o mercado de compras coletivas, que apesar de novo, já começa a se estruturar e amadurecer. Em 2011, o número de pessoas que aderiram a essa modalidade chegou a 9,98 milhões. Foram realizados 20,49 milhões de pedidos e o faturamento ficou em R$ 1,6 bilhão. O perfil dos consumidores desse segmento também está contemplado nesta edição e aponta que o público de compras coletivas é majoritariamente feminino.

Para esta 25ª edição, a e-bit, em parceria com a eBehavior, empresa de marketing comportamental, preparou um estudo inédito sobre o comportamento do e-consumidor. Neste capítulo, é possível entender como as lojas que possuem ferramentas de behavioral targeting apresentam conversão em vendas muito maior do que lojas que não investem nesse tipo de solução. A pesquisa mostra, por exemplo, o intervalo de tempo entre a busca pelo produto e a compra, e assim, é possível traçar o perfil de compra e o impulso dos compradores virtuais.

Comentários
Mais de EconomiaSupremo Tribunal Federal proíbe cobrar ICMS no estado <br>de destino em comércio virtualseu bolsoSupremo Tribunal Federal proíbe cobrar ICMS no estado
de destino em comércio virtual
''Eike só tem dinheiro para despesas comuns'', diz advogado do empresáriobloqueio de bens''Eike só tem dinheiro para despesas comuns'', diz advogado do empresárioPrefeitura espera atingir arrecadação de R$ 15 milhões até o fim de setembroPPI DO IPTUPrefeitura espera atingir arrecadação de R$ 15 milhões até o fim de setembroTAM é condenada em R$ 45,8 mil por perder bagagem de vinhos de passageiroindenizaçãoTAM é condenada em R$ 45,8 mil por perder bagagem de vinhos de passageiro
 Últimas Notícias  


  • Assinaturas:
    • (67) 3323-6100
  • Publicidade:
    • (67) 3320-0023
    • (67) 3323-6090
  • Empresa:
    • (67) 3323-6090
    • (67) 3323-6059
 Plataforma Desenvolvimento© Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.