E-commerce fatura R$ 18,7 bilhões em 2011

DECISIONREPORT14 de Maro de 2012 | 13h35

O comércio eletrônico brasileiro teve bons resultados em 2011.  De acordo com a e-bit, empresa especializada em informações do e-commerce, o setor cumpriu o previsto e faturou R$ 18,7 bilhões, valor nominal 26% maior que o alcançado em 2010. O tíquete médio ficou em R$350, com 9 milhões de novos e-consumidores, sendo que, desse total, 61% são pertencentes à classe C. Dessa forma, chegamos a 32 milhões de consumidores que compraram, ao menos uma vez, via web.

Esses dados fazem parte da 25° edição do relatório WebShoppers, elaborado pela e-bit, com apoio da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net)  e da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio).O estudo também aponta as categorias mais vendidas do ano.

Em 2011, a preferência em adquirir produtos de maior valor agregado continuou, em decorrência dos preços competitivos e das facilidades de pagamento oferecidas pelas lojas virtuais. A novidade foi a ascensão nas vendas de moda e acessórios. No ranking das cinco categorias mais vendidas estão: Eletrodomésticos, Informática, Eletrônicos, Cosméticos e Perfumaria/Cuidados Pessoais e Moda & Acessórios, respectivamente.

Em 2012, o e-commerce deve continuar crescendo, no mesmo ritmo apresentado em 2011. Embora o mercado interno esteja aquecido, o cenário internacional poderá influenciar nos resultados. A crise na Europa, a previsão de redução no ritmo de crescimento chinês e o fato de a economia americana ainda estar se recuperando podem gerar algum reflexo negativo no ritmo de crescimento econômico, afetando o varejo como um todo.  Por outro lado a redução na taxa básica de juros e incentivos governamentais reduzindo impostos poderá equilibrar esse cenário.

O esperado é que até o fim do ano, o e-commerce atinja um faturamento de R$ 23,4 bilhões, valor nominal 25% maior que em 2011. Só no primeiro semestre, período em que historicamente acontecem 45% das vendas do ano, são esperados R$10,4 bilhões.

Compras Coletivas

O relatório traz ainda informações sobre o mercado de compras coletivas, que apesar de novo, já começa a se estruturar e amadurecer. Em 2011, o número de pessoas que aderiram a essa modalidade chegou a 9,98 milhões. Foram realizados 20,49 milhões de pedidos e o faturamento ficou em R$ 1,6 bilhão. O perfil dos consumidores desse segmento também está contemplado nesta edição e aponta que o público de compras coletivas é majoritariamente feminino.

Para esta 25ª edição, a e-bit, em parceria com a eBehavior, empresa de marketing comportamental, preparou um estudo inédito sobre o comportamento do e-consumidor. Neste capítulo, é possível entender como as lojas que possuem ferramentas de behavioral targeting apresentam conversão em vendas muito maior do que lojas que não investem nesse tipo de solução. A pesquisa mostra, por exemplo, o intervalo de tempo entre a busca pelo produto e a compra, e assim, é possível traçar o perfil de compra e o impulso dos compradores virtuais.

Comentários
Mais de EconomiaFeira abre com exposição <br>de 150 marcas no Albano FrancoEMPREENDEDORISMOFeira abre com exposição
de 150 marcas no Albano Franco
Estado criou 689 novas vagas <br>de emprego em julhoTRABALHOEstado criou 689 novas vagas
de emprego em julho
recordeNúmero de consumidores inadimplentes é recorde e
chega a 57 milhões no país
Os dados foram divulgados pela Serasa Experian, referentes aos números deste ano
Feira do Agronegócio de Coxim começa na sexta-feirasindicato ruralFeira do Agronegócio de Coxim começa na sexta-feira
 Últimas Notícias  


  • Assinaturas:
    • (67) 3323-6100
  • Publicidade:
    • (67) 3320-0023
    • (67) 3323-6090
  • Empresa:
    • (67) 3323-6090
    • (67) 3323-6059
 Plataforma Desenvolvimento© Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.