Boletim aponta que médica matou filho e nora, e depois se matou

G1 8 de Maro de 2014 | 14h45
Reprodução/ Facebook Reprodução/ Facebook

O caso da família encontrada morta na manhã de sexta-feira (7), dentro de um apartamento de luxo na Zona Oeste de São Paulo, foi registrado como ‘homicídio’ seguido de ‘suicídio’. A informação foi confirmada neste sábado (8) ao G1 pela assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP). De acordo com o boletim de ocorrência, a mãe é suspeita de ter matado a tiros a namorada do filho, o rapaz e depois se matado.

De acordo com a investigação, a médica pediatra Elaine Moreira Munhoz, de 56 anos, matou a namorada do filho, Mariana Marques Rodella, de 25, e o rapaz, Giuliano Landini, de 25, ambos estudantes de medicina. Em seguida, ela se matou no apartamento da família, na Rua Passo da Pátria, na City Lapa.

Motivação
Para a Polícia Civil, a principal hipótese para explicar o crime é que a motivação tenha sido passional: a mulher não aceitava o namoro do casal. Segundo relatos de parentes, ela estava deprimida, um "pouco triste", fazia terapia e estaria tomando remédios.

Outra hipótese investigada é que o crime tenha sido premeditado. A polícia apura se Elaine atirou no banheiro antes de matar o filho e a namorada dele. Ela teria testado a arma e depois a recarregou para cometer o assassinato e se matar. Cartuchos teriam sido encontrados no local.

A polícia ainda quer ouvir a terapeuta, para saber se Elaine sofria de alguma doença, os vizinhos da família, anexar o resultado dos exames periciais e saber o que as câmeras de segurança do prédio gravaram para concluir o inquérito. Mas isso não muda a versão com que a polícia trabalha até o momento para saber o que aconteceu dentro do segundo andar do prédio.

Os policiais chegaram a essa tese preliminar de assassinato seguido de suicídio depois de ouvirem testemunhas e examinarem a cena do crime. Após relatarem o inquérito, ele será submetido à Justiça, que deverá arquivá-lo, já que a autora do assassinato se suicidou.

Na sexta, o delegado Daniel Cohen, do 91.º Distrito Policial, Ceasa, declarou à imprensa que investiga a possibilidade de Elaine ter matado Giuliano e Mariana por causa de uma depressão causada por não aceitar o namoro dos dois. Testemunhas contaram que a mãe do rapaz era contrária ao relacionamento de seis anos do filho, pois achava que o namoro tinha piorado o desempenho acadêmico dele. Ela estaria com medo de o rapaz abandonar o curso de medicina. Giuliano estava no quinto ano da faculdade da Santa Casa.

Elaine teria deixado diversos papéis escritos pelo apartamento que podem ajudar a elucidar o crime. "Neles estavam escritas frases desconexas", afirmou o delegado Cohen. De acordo com ele, a suspeita parecia querer conversar com alguém nas palavras que escreveu. Os peritos do Instituto de Criminalística (IC) examinaram o apartamento para tentar reproduzir como o crime ocorreu.

O crime
Mariana estudava na Faculdade de Medicina Santo Amaro. Ela era filha de médicos de São José do Rio Pardo e sobrinha do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Mauro Luiz Campbell Marques. A jovem levou um tiro na cabeça e outro no braço, segundo a polícia.

Giuliano foi baleado no tórax, na cabeça e no braço esquerdo. Segundo a investigação, o rapaz saiu para passear com o cachorro na sexta pela manhã. Depois voltou ao apartamento e foi assistir TV. O pai dele, o cirurgião Alexandre Santos Landini, também médico, saiu para trabalhar.

Quando o primeiro disparo foi dado em Mariana, Giuliano estava na sala de televisão. Ainda de acordo com a polícia, a namorada foi baleada quando se deitava no quarto do jovem. Ao escutar o tiro, ele se levantou e ia em direção à mãe, mas acabou atingido.

A empregada da família, Eliete Silva, saiu correndo do apartamento ao ouvir os disparos. Vizinhos também escutaram os tiros e ouviram gritos de ‘não’, que seriam do filho. Eles telefonaram para a Polícia Militar, que ao chegar ao local, na Rua Passo da Pátria, no bairro City Lapa, subiu até o andar de onde partiram os tiros e entraram no apartamento.

Os policiais encontraram os corpos de Mariana e Giuliano e depois arrombaram a porta do quarto do casal, onde encontraram Elaine. Ela teria trancado a porta por dentro. Estava caída no chão com um tiro na boca. Na sua mão direita, um revólver Taurus de calibre 38 sem registro, provavelmente a arma do crime, que foi apreendida.

Perícia
O secretário da Segurança Pública, Fernando Grella, e o delegado-geral, Maurício Blazeck, chegaram a ir ao apartamento na sexta para acompanhar o trabalho da perícia da Polícia Técnico-Científica. Grella conhece o ministro Campbell Marques, tio de Mariana.

Alexandre Santos Landini, marido de Elaine, e a empregada Eliete Silva foram submetidos a exames residuográficos para tentar indicar presença de pólvora nas suas mãos. O resultado dos exames não havia sido divulgado até a manhã deste sábado (8). À polícia, Alexandre disse desconhecer a existência da arma e falou ter sido avisado das mortes quando estava no trabalho.

Procurada pela equipe de reportagem para comentar o assunto, Eliete disse não ter "nada a declarar". Alexandre informou por meio de um amigo que também não iria falar. Segundo parentes, ele estaria em estado de choque.

Elaine era médica pediatra na Unidade Básica de Saúde (UBS) da prefeitura no Alto de Pinheiros, Zona Oeste.

Vizinhos da família contaram ao G1 que Elaine, seu marido e os filhos eram conhecidos no bairro.

Os corpos dos três mortos foram liberados na madrugada deste sábado pelo Instituto Médico Legal (IML). Mariana será enterrada neste sábado em São José do Rio Pardo. Giuliano e Eliane serão sepultados no cemitério do Morumbi, Zona Sul da capital paulista, a partir das 16h.

Comentários
Mais de Brasil/MundoAdvogado desiste de defender torcedora suspeita de injúria racialGremistaAdvogado desiste de defender torcedora suspeita de injúria racial'Ela não se lembra de nada', <br>diz irmão de mulher agredida com cotoveladaVIOLÊNCIA'Ela não se lembra de nada',
diz irmão de mulher agredida com cotovelada
Grêmio entrega à polícia imagens que podem ajudar <br> a identificar torcedoresRACISMOGrêmio entrega à polícia imagens que podem ajudar
a identificar torcedores
JJ3307Seguradora da TAM quer reaver valor indenizatório A Itaú Seguros, empresa seguradora da companhia aérea TAM, quer ser ressarcida pelo pagamento de...
 Últimas Notícias  


  • Assinaturas:
    • (67) 3323-6100
  • Publicidade:
    • (67) 3320-0023
    • (67) 3323-6090
  • Empresa:
    • (67) 3323-6090
    • (67) 3323-6059
 Plataforma Desenvolvimento© Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.