Final da Libertadores

Grêmio perde, mas avança à final e tenta espantar fantasma argentino

2 NOV 2017 • POR Agência Brasil • 07h48
O Grêmio já venceu o torneio em 1983 e 199 - Reprodução Facebook

Após dez anos, o Grêmio está novamente na final da Copa Libertadores. Nesta quarta-feira (1º), a equipe gaúcha tomou um susto, mas ratificou sua classificação para a decisão apesar da derrota para o Barcelona (EQU) por 1 a 0, em Porto Alegre, na segunda partida da semifinal do torneio.

O time tinha a vantagem de perder por até dois gols de diferença após vencer o jogo de ida por 3 a 0, realizado há uma semana, em Guayaquil.

Com a classificação, o clube tricolor buscará igualar o feito de Santos e São Paulo, os únicos times do país tricampeões da competição.

O Grêmio já venceu o torneio em 1983 e 1995. A primeira conquista foi diante do Peñarol, do Uruguai, enquanto a segunda foi sobre do Atlético Nacional, da Colômbia.

A equipe também tem dois vice-campeonatos. Em 1984, perdeu para o Independiente. Treze anos depois, caiu na decisão para o Boca Juniors.

Agora, para ficar com o título, terá de superar a sina de perder finais para argentinos. O outro finalista é o Lanús, que eliminou o River Plate após vencer a partida de volta por 4 a 2, na terça (31).

Os jogos estão marcados para os dias 22 e 29 de novembro, respectivamente, em Porto Alegre e Buenos Aires.

Para chegar à final, porém, o Grêmio tomou um susto. Sem Barrios, vetado pelo departamento médico, a equipe não conseguiu encontrar espaços para atacar e criou pouco no primeiro tempo.

Já o Barcelona, que tem um bom retrospecto fora de casa -60% de aproveitamento contra 44,4% como mandante- apostou nas jogadas pelo lado do campo com Marcos Caicedo. Em uma delas, passou por três defensores e bateu, a bola sobrou para Jonathan Álvez que, livre, finalizou para abrir o placar.

Na etapa final, os equatorianos ainda acertaram a trave em um chute de Esterilla.

O Grêmio mostrava afobação. Após a metade do segundo tempo, valorizou a posse de bola e chegou com perigo, mas errava na hora de concluir. Na melhor chance, Jael cabeceou na trave.

Na reta final, o time só segurou o resultado para ficar com a vaga na final.

Estádio: Arena do Grêmio, em Porto Alegre
Público / renda: 54.128 pessoas (51.065 pagantes) / R$ 3.370.918,00
Árbitro: Roberto Tobar (CHI)
Cartões amarelos: Edilson, Kannemann (G); Esterilla, Arreaga, Oyola (B)
Gol: Jonatan Álves (B), aos 32 min do 1º tempo

GRÊMIO
Marcelo Grohe; Edilson, Pedro Geromel, Walter Kannemann e Bruno Cortez; Jailson, Arthur, Ramiro (Michel), Luan e Fernandinho (Everton); Cícero (Jael)
T.: Renato Gaúcho

BARCELONA-EQU
Banguera; Pedro Velasco, Xavier Arreaga, Jefferson Mena e Beder Caicedo; Minda, Oyola, Ely Esterilla (José Ayoví), Damían Díaz e Marcos Caicedo (Erick Castillo); Jonatan Álvez
T.: Guillermo Almada