SUCESSÃO ESTADUAL

De olho em 2018, André admite pré-candidatura ao governo

Na segunda, executiva define antecipação da sua posse no comando do PMDB

28 SET 2017 • POR DA REDAÇÃO • 07h00
Mochi e André já discutem planejamento para construção de apoio político para sucessão estadual - Álvaro Rezende/Correio do Estado

O ex-governador André Puccinelli (PMDB) admitiu, ontem, estar construindo sua pré-candidatura à sucessão estadual, em 2018.

Ele é apontado como o principal nome do partido para enfrentar o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que deverá concorrer à reeleição.

“Não temos outro nome”, disse, dias atrás, o presidente regional do partido e da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi.

André já está conversando com as lideranças políticas de vários partidos para medir a recepção ao seu nome. Ele comentou ter recebido apoio político para tentar governar, pela terceira vez, o Estado de Mato Grosso do Sul.

Mas o ex-governador só vai definir a sua participação na disputa pela sucessão estadual depois de superar alguns obstáculos. Ele precisa, por exemplo, de apoio logístico para entrar na campanha eleitoral.

Mochi avaliou não existir outra opção ao PMDB, mesmo sendo aliado do Azambuja na Assembleia Legislativa. Essa parceria política com o governo não impedirá o partido de construir a sua candidatura para sucessão estadual.

*Leia reportagem, de Adilson Trindade, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.