Quarta, 22 de Novembro de 2017

Dourados

Setor empresarial está otimista com modal ferroviário

Mais de mil quilômetros de malha ferroviará ligará o município ao
Porto de Paranaguá

23 OUT 2017Por ALINE OLIVEIRA16h:13

Empresários e representantes do setor produtivo em Dourados estão otimistas com o projeto de implantação do ramal ferroviário que liga o município ao Porto de Paranaguá - considerado o segundo maior ponto de escoamento da produção nacional para exportação.

A análise aconteceu ao final da 4ª reunião de Consulta Pública promovida na semana passada, no auditório da Associação Comercial e Empresarial de Dourados (Aced). Organizado pela Ferroeste, prefeitura e governo do Estado, o encontro apresentou aos convidados, detalhes do empreendimento que construirá mil quilômetros de malha ferroviária em quatro municipios da região sul e mais dois, no estado do Paraná.

Na avaliação da presidente da Aced, Elizabeth Rocha Salomão, os detalhes do projeto foram apresentados com objetividade e transparência, fator considerado fundamental para o setor que movimenta a economia do município, apontado como um dos mais importantes polos agropecuários do Estado. “Nós, do setor empresarial estamos animados com a possibilidade apresentada pelos organizadores e entendemos o quanto será importante no desenvolvimento de Dourados e região”, observa.

A dirigente reforça que em função do investimento que será feito, a companhia adotou a medida correta ao convidar a sociedade civil para conhecer os detalhes, visto que o próximo passo é iniciar os estudos de viabilidade econômica nas duas unidades federativas. “Isso é lucratividade e, para nós, certeza de uma reação em cadeia que vai impactar em cada empresa, em cada comerciante, em cada cidadão. Este não é um projeto somente para atender o produtor rural ou a agroindústria, mas, atenderá as expectativas de toda região sul”, acrescenta.

SETOR PRODUTIVO

O diretor do sindicato rural de Dourados, José Tarso Moura da Rosa, também participou da reunião e revela que é a quinta vez que acompanha o andamento dos debates sobre o terminal ferroviário. “Considero o projeto fantástico e muito bem estruturado, visto que irá proporcionar maior agilidade no escoamento da produção local e barateará os custos com transporte. Além disso, a parceria entre as administrações estaduais do Paraná e Mato Grosso do Sul atrairão empresas privadas com interesse em investir na obra”, observa o empresário rural.

A Consulta Pública reuniu técnicos da Ferroeste, governo do Paraná e de Mato Grosso do Sul, Prefeitura de Dourados, empresários, produtores rurais, representantes de entidades de classe, pesquisadores, entre outros no auditório da Associação. Os representantes da empresa apresentaram o cenário do escoamento da produção agropecuária, as vantagens que teriam MS e PR com a implantação deste modal e receberam contribuições dos presentes.

O diretor de produção da Ferroeste, Rodrigo César de Oliveira apresentou dados que comprovam a viabilidade do empreendimento que liga as duas regiões: 30% da produção nacional de grãos é colhida pelo Paraná e Mato Grosso do Sul. Outro detalhamento apresentado pela companhia foi que o projeto será dividido em duas partes, sendo uma subconcessão entre Dourados e Guarapuava e outra, que compreende um novo trecho entre Guarapuava e Paranaguá.

O próximo passo realizado será a publicação do edital de chamamento aos interessados em participar do empreendimento, com prazo de 60 dias para manifestação de interesse. Após este prazo, a companhia tem 270 dias para iniciar as atividades de construção do terminal ferroviário.

 


 

Leia Também