Quarta, 07 de Dezembro de 2016

DESEMPREGO

10,7% dos brasileiros em idade de
trabalho estão fora do mercado

13 OUT 2016Por G110h:54

No segundo trimestre deste ano, a força de trabalho existente no país, formada por ocupados e desocupados, somava 102,4 milhões de pessoas. Desse total, 90,8 milhões estavam empregadas e 11,6 milhões, desempregadas.

Já a população fora da força de trabalho, ou seja, que não estava trabalhando nem procurando emprego, chegava a 63,9 milhões de pessoas no segundo trimestre: sendo 57,7 milhões fora da força de trabalho potencial, mais 6,2 milhões que integravam a força de trabalho potencial (pessoas que gostariam de trabalhar, mas não procuraram trabalho, ou que procuraram mas não estavam disponíveis para trabalhar).

O IBGE explica que, ao somar os 11,6 milhões de desocupados mais os 6,2 milhões da força de trabalho potencial, o total chega a 17,8 milhões, o que representava 10,7% do contingente total de 166,3 milhões de pessoas em idade de trabalhar. Esse é o maior percentual da série, que teve início em 2012.

Os dados fazem parte de um novo conjunto de indicadores sobre estatísticas de trabalho resultantes da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua). A  mudança tem como objetivo seguir recomendações internacionais da Organização Internacional do Trabalho (OIT). No segundo trimestre, a taxa da força de trabalho potencial atingiu 16,4%.

Insuficiência de horas

De acordo com o IBGE, dentro dos 90,8 milhões de pessoas ocupadas, há um grupo considerado "subocupados por insuficiência de horas trabalhadas" - são pessoas que estão ocupadas, mas têm uma jornada menor do que 40 horas semanais. Essa fatia chegou a 4,8 milhões de pessoas no segundo trimestre.

Dessa forma, a soma de desocupados com subocupados por insuficiência de horas totalizava 16,4 milhões de pessoas, ou 9,9% do contingente total de pessoas em idade de trabalhar. No segundo trimestre deste ano, a taxa combinada da subocupação por insuficiência de horas e da desocupação chegou a 16%.

Trabalhadores subutilizados

No segundo trimestre, do total de pessoas em idade de trabalhar, 13,6% ou 22,7 milhões, faziam parte os desocupadas, os subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e os que integram a força de trabalho potencial (que não estão procurando emprego).

Segundo Cimar Azeredo, do IBGE, quando se fala na subutilização da força potencial, é possível considerar que" falta trabalho, (não emprego), para 22,7 milhões de pessoas no país".

Assim, a taxa resultante da subutilização da força de trabalho (que agrega a taxa de desocupação, taxa de desocupação por insuficiência de horas e da força de trabalho potencial) chegou a 20,9%.

Horas trabalhadas

Segundo o novo conjunto de indicadores, a jornada média semanal de horas trabalhadas ficou em 39,1 horas. Do total de ocupados, 52,5% trabalhavam entre 40 e 44 horas.

Conta própria

No segundo trimestre de 2016, o Brasil contava com 7,5 milhões de trabalhadores por conta própria ou empregadores que possuíam CNPJ. Isso representa 4,4 milhões ou 19,3% dos  22,9 milhões de trabalhadores por conta própria e 3,1 milhões ou 84,2% dos 3,7 milhões de empregadores.

Características

O IBGE também divulgou que, do total de pessoas ocupadas no período da pesquisa, cerca de 70% trabalhavam no mesmo local há pelo menos dois anos. De acordo com o IBGE, esse percentual cresceu "de forma significativa em relação ao 2º trimestre de 2012".

"O movimento de alta desta estimativa coincide com início da atual crise econômica que o país atravessa, o que leva a concluir que o aumento da participação de trabalhadores com dois anos ou mais de permanência no trabalho pode ter se dado em função da não entrada de novos trabalhadores no mercado de trabalho."

Quanto ao tipo de contratação, 88% dos trabalhadores eram contratados por tempo indeterminado. No segunto trimestre de 2016, 73,2% dos 6,2 milhões dos domésticos trabalhavam em apenas um domicílio.

Desemprego no 2º trimestre

De acordo com a pesquisa do IBGE referente ao segundo trimestre deste ano, o desemprego subiu para 11,3%. A taxa foi a maior já registrada pela série histórica da Pnad Contínua, que teve início em janeiro de 2012.

No trimestre encerrado em março, o índice de desemprego foi de 10,9% e no período de abril a junho de 2015, de 8,3%. No trimestre de março a maio, a taxa bateu 11,2%. A população desocupada cresceu 4,5% em relação ao primeiro trimestre e chegou a 11,6 milhões de pessoas. Já na comparação com o 2º trimestre de 2015, o aumento foi de 38,7%.

Por outro lado, a população ocupada somou 90,8 milhões de pessoas e mostrou estabilidade em relação ao 1º trimestre e queda de 1,5% sobre o período de abril a junho de 2015.

Leia Também