Domingo, 24 de Setembro de 2017

Nova Alvorada

Jovem é preso por incendiar 500 hectares de canavial de usina da Odebrecht

Rapaz usou velas para atear fogo em vários pontos da plantação

17 JUL 2017Por GLAUCEA VACCARI10h:10

Lyncon Ramos Castilho, 19 anos, foi preso por suspeita de incendiar o canavial da Usina Santa Luzia, unidade da Odebrecht Agroindustrial, em Nova Alvorada do Sul, nesse fim de semana.

De acordo com informações do site Alvorada Informa, rapaz foi visto por duas testemunhas ateando fogo no canavial, que destruiu 500 hectares da plantação.

Polícia Militar foi até a residência de Castilho, no Bairro Maria de Lourdes, e prendeu o rapaz em flagrante.

Consta em boletim de ocorrência, que ele pegou o carro do pai, foi até a usina e, usando velas acesas, ateou fogo em vários pontos do canavial. Em seguida, rapaz fugiu, abandonou o carro na BR-267 e seguiu a pé para casa.

Carro foi encontrado pela PM e chamas do canavial foram contidas por equipes do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar Ambiental e brigadistas de incêndio da Biosev.

Suspeito foi encaminhado à Delegacia de Polícia Civil do município. Não há informações sobre as motivações para o crime, que será investigado. Rapaz prestará depoimento ao delegado. 

Usina Santa Luzia divulgou na tarde de hoje que faz levantamento para apurar a extensão dos prejuízos causados.

"A ação rápida das Brigadas de Incêndio das Unidades Santa Luzia (Nova Alvorada do Sul- MS), e Eldorado (Rio Brilhante-MS) mobilizou 80 pessoas, evitando que o incêndio tomasse uma proporção maior. As autoridades locais foram prontamente informadas e acompanharam todo o desdobramento do episódio. Não houve vítimas e está sendo apurada a extensão dos prejuízos causados à empresa", informou nota.

Conforme a usina, há uma política do grupo em vigor que zela por práticas ambientais e ela funciona com 100% de colheita mecanizada.

"As causas dos incêndios estão sendo investigadas depois do boletim de ocorrência registrado pela Unidade Santa Luzia. A empresa reforça que zela pelas melhores práticas ambientais e que opera de maneira 100% mecanizada, sem queima de cana-de-açúcar em seus canaviais, além de respeitar todas as obrigações legais acerca da manutenção das condições exigidas nas áreas de cultivo e tomará todas as medidas cabíveis para apurar o ocorrido, em colaboração com as autoridades, inclusive como forma de combater a prática de incêndios criminosos em seus canaviais", divulgou.

*Editada às 16h50 para acréscimo de informações.

Leia Também