Segunda, 20 de Novembro de 2017

Estelionato

Dupla simula roubo de carro
financiado para fraudar seguro

Proprietário registraria boletim de ocorrência por roubo e seria ressarcido

13 NOV 2017Por RENAN NUCCI08h:08

Ação conjunta entre a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul resultou na prisão em flagrante de duas pessoas que fraudavam seguro automotivo, na tarde de ontem. Philipe Fontenele de Sousa, de 29 anos, e Edson Brito Reis, 33, tentavam chegar ao Paraguai em um Honda Civic supostamente roubado no Distrito Federal, mas que na verdade pertencia ao amigo, identificado como João Erinal Fernandes de Almeida, 45.

Segundo o delegado Hoffman D'Ávila Cândido e Sousa, plantonista da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) da Vila Piratininga, o plano do grupo era de que João infomasse o suposto crime à polícia em Brasília (DF), onde reside, enquanto a dupla atravessava o carro na fronteira. Deste modo, o veículo desapareceria e ele poderia acionar o seguro, sendo ressarcido em dinheiro, lesando a financiadora e a seguradora responsável. 

A ocorrência teve início à tarde, quando Edson e Philipe foram abordados pela PRF em Campo Grande. Durante a ocorrência, os policiais constataram que o Honda Civic que ocupavam, modelo 2017 e avaliado em aproximadamente R$ 100 mil, estava com registro de roubo em Brasília. Por este motivo, foram encaminhados à Depac da Vila Piratininga para esclarecimentos. Até então, eles estavam sendo investigados por receptação.

Entretanto, durante depoimento o delegado desconfiou do nervosismo e incoerência dos relatos, principalmente depois que tentou falar com o proprietário. "O carro estava com placas originais e a chave original. Quando o veículo é roubado, geralmente os criminosos trocam a identificação e colocam placas frias. Tudo isso demonstrava que tinha mais do que uma receptação", explicou Hoffman. 

Delegado explicou detalhes sobre o caso em coletiva de imprensa nesta manhã. (Foto: Bruno Henrique)

CONFISSÕES

Apesar de tentarem esconder as verdadeiras intenções, Philipe e Edson acabaram confessando a fraude. Eles disseram que chegariam até Ponta Porã e deixariam o Civic no estacionamento do Shopping, em Pedro Juan Caballero, no Paraguai, onde um desconhecido pegaria o veículo e lhes pagaria. "Não foi confirmado se o pagamento seria com dinheiro ou droga". O erro foi que João registrou o boletim de ocorrência antes do previsto. "O combinado era que fizesse a denúncia às 18 horas de ontem, mas na hora do almoço ele foi à 27ª DP em Brasília e comunicou a situação, antes mesmo de os comparsas chegarem na fronteira".

 O delegado relatou que o carro é financiado. Ou seja, o investimento feito no veículo era pequeno diante do lucro que obteriam por meio da fraude, já que as parcelas não haviam sido quitadas. Além disso, no celular da dupla havia mensagens trocadas com João falando sobre o plano e comemorando a fraude, dando a entender que já haviam cometido crimes semelhantes em outras ocasiões.

O grupo responde por associação criminosa, falsa denunciação de crime e tentativa de estelionato. Philipe e Edson devem ser encaminhados para audiência de custódia ainda hoje.

Leia Também