Domingo, 19 de Novembro de 2017

ESTUDANTE MENTIU

Preso depois de falsa acusação de estupro pede R$ 100 mil de indenização

Estudante inventou estupro depois de perder virgindade com homem casado

8 FEV 2017Por GLAUCEA VACCARI19h:56

Flávio Maury de Souza, 36 anos, preso depois de acusação falsa de estupro pela estudante universitária Jéssica Fernanda de Abreu, 25, entrou na Justiça pedindo indenização por danos morais e direito de imagem. Primeira audiência de conciliação foi realizada hoje, na 2ª Vara Cível do Fórum de Dourados.

Flávio e Jéssica foram namorados e, em abril do ano passado, depois de ser flagrada pela mão ao lavar calcinha manchada de sangue, estudante inventou ter sido estuprada pelo ex no campus da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

Rapaz foi preso e passou 37 dias na cadeia. Polícia desconfiou da versão da menina depois de não encontrar vestígios do crime no local e laudo não indicar violência sexual.

Estudante confessou que inventou o estupro porque manteve relações sexuais consentidas com um homem casado e ficou com medo da família descobrir que ela havia perdido a virgindade.

Acusado e preso injustamente, Flávio pede R$ 100 mil por direito de imagem à jovem e R$ 100 mil ao Governo do Estado, por danos morais.

De acordo com o site Dourados News, Souza afirmou que além de ter passado mais de um mês preso por crime que não cometeu, ele e família receberam várias ameaças de morte, tanto de presos como de pessoas de outros estados, já que caso ganhou repercussão nacional, e que muitas pessoas ainda o associam ao crime, além de não conseguir emprego.

“Me encontram na rua e lembram do fato e apontam para mim. Está sendo difícil, ainda não passou tudo. Eu gostaria que fosse reconhecido tudo que foi passado, a acusação de uma coisa que eu não fiz, jamais iria fazer, que fosse reparado tudo isso que aconteceu. Já pensou eu perder a minha vida por nada? Por uma coisa que eu não fiz?", disse Flávio ao Dourados News.

Advogadas que representam o rapaz afirmaram que valor pedido é razoável por conta de toda a situação que ele passou e continua passando.

Depois da primeira audiência, próximo passo é aguardar defesa da jovem, que ficou de pensar sobre o valor pedido.

Advogado da estudante, Mario Claus, disse que a cliente não tem condições financeiras de pagar o valor pretendido e, por este motivo, não houve acordo. Defensor tem o prazo de 15 dias para fazer contestação. 

Leia Também