Quinta, 17 de Agosto de 2017

PROJETO real

Arquitetura transforma contêiner para virar
casa em cidades do Estado

19 JUN 2017Por DA REDAÇÃO08h:06

Depois de anos transportando mercadorias de litoral em litoral, os contêineres acabam perdendo a validade para uso marítimo. Eis que, em vez de serem descartados, podem ser levados às cidades e ganhar a função de alicerce de construções. 

Suas estruturas metálicas são ótimas substitutas da argamassa, dos tijolos e da madeira utilizados nas construções convencionais.

Projetos baseados nos contêineres são executados de forma bem menos poluente, mais barata e mais rápida em relação a elas. Em Mato Grosso do Sul, as construções de contêineres são consideradas tendência e têm se espalhado – basta pensar nos food trucks e nos imóveis comerciais com proposta sustentável e econômica surgindo no interior e na Capital.

A demanda da oficina em que os sócios Rodrigo Gameiro e Rodrigo Prudêncio trabalham, por exemplo, é prova de que esses projetos têm sido bastante procurados por aqui.

Entregaram dezenas de obras no Estado e, atualmente, estão executando seis projetos simultâneos em Campo Grande. Gameiro, que é arquiteto, trabalha há cinco anos com o modelo, enquanto Prudêncio, construtor autônomo, há 12. 

A temperatura dentro do contêiner é interrogação frequente. Os sócios garantem que tratamentos térmicos e estudos de posicionamento garantem bons resultados quanto a isso. A vida útil do contêiner é de cerca de 50 anos.

*Leia reportagem, de Cássia Modena, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Leia Também