Sexta, 02 de Dezembro de 2016

ALEGOU LEGÍTIMA DEFESA

“Se não atira, a vítima seria ele”, diz defesa de motorista que matou adolescente

Crime aconteceu na terça-feira (11), em praça do Jardim Carioca

13 OUT 2016Por MARESSA MENDONÇA E GLAUCEA VACCARI17h:01

O motorista suspeito de ter assassinado adolescente de 15 anos, na última terça-feira (11), se entregou hoje à polícia. José Milton da Silva Fraga, de 50 anos, chegou até a delegacia da avenida Júlio de Castilhos em companhia do advogado que defende a hipótese de legítima defesa.

“Se ele não atira, a vítima seria ele”, declarou Rodrigo Duarte à reportagem do Portal Correio do Estado. Segundo o advogado, o garoto teria furtado a casa do motorista diversas vezes, inclusive no dia em que foi morto.

Conforme o relato, o motorista flagrou o adolescente fugindo da casa dele com objetos furtados e foi até o local onde o garoto estava na tentativa de reaver os materiais.

Quando chegou na praça, ele alega ter visto o adolescente acompanhado de outras 10 pessoas que tentaram intimidá-lo. Um deles, segundo relato, teria colocado a mão na cintura fazendo menção de estar armado.

O motorista foi até o carro, pegou uma espingarda de pressão e atirou contra o adolescente que morreu antes da chegada do socorro.

À polícia, o motorista alegou ser proprietário da arma porque morou durante muito tempo em fazenda. Ele não tinha nenhuma passagem pela polícia.


Rozely Dolor Galego, delegada responsável pelo caso, informou que não vai pedir a prisão preventiva de Fraga porque ele está colaborando com as investigações. Ela disse ainda que vai confrontar a versão do motorista com outras testemunhas.

Motorista se apresentou à polícia (Foto: Glaucea Vaccari / Portal Correio do Estado)

A polícia investigará ainda incêndio na casa do motorista. As chamas começaram pouco depois da morte do garoto. A suspeita é a de que tenham ateado fogo na residência em retaliação ao crime. 

O CASO

Adolescente de 15 anos morreu depois de ser atingido por um tiro no tórax, na tarde de terça-feira (11), no Jardim Carioca, em Campo Grande.

O garoto estava em uma praça, localizada na Avenida 7, quando foi executado. Suspeito fugiu em um veículo Gol.

Conforme o Corpo de Bombeiros, tiro entrou pela lateral direita do peito e saiu pelo lado esquerdo. Vítima teve parada cardíaca e bombeiros tentaram reanimá-lo, mas ele não resistiu ao ferimento e morreu.

 

Leia Também