Sexta, 24 de Novembro de 2017

PAPIROS DE LAMA

PF vasculhou casa onde propina
milionária era paga em isopor

Locais serviam de ponto de encontro para pagamentos de propinas

14 NOV 2017Por LUANA RODRIGUES16h:32

A fazenda Rancho Itália, em Nioaque, foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão da Operação Papiros de Lama, 5ª fase da operação Lama Asfáltica. Ela pertence a Mauro Cavalli, apontado pela Polícia Federal como um dos "laranjas" do ex-governador André Puccinelli (PMDB).

Outro mandado de busca e apreensão foi realizado em Barueri (SP), onde em uma casa foi entregue R$ 2 milhões em uma caixa de isopor. O dinheiro era referente a propina para Puccinelli.

Conforme as investigações, Cavalli era responsável por comprar fazendas e outros imóveis em nome de Puccinelli, com pagamentos em dinheiro e sem que houvesse comprovação de renda que justificasse a transação milionária. 

Cavalli foi secretário municipal na gestão de Puccinelli nos anos de 1997-2004. Neste período, o patrimônio dele saltou de R$ 40 mil para cerca de R$ 10 milhões. As investigações ainda descobriram um empréstimo de Cavalli para Puccinelli de R$ 350 mil.

Apesar das suspeitas em torno da relação de André e Mauro, o MPE-MS (Ministério Público Estadual) arquivou um inquérito que investigava aquisição de propriedades rurais por Cavalli que, de fato, seriam do ex-governador.

Na delação premiada que resultou na operação de hoje, Ivanildo Cunha Miranda também comenta a relação entre o ex-governador e Cavalli. Ele diz que os dois eram amigos, e que em 2012 levou um valor em dinheiro até uma fazenda em Maringá (PR), a mando de Puccinelli.

ISOPOR EM CASA DE LUXO

Outro endereço visitado pelos policiais na manhã de hoje é o Residencial Tamboré, condomínio de luxo em Barueri, São Paulo. 

Conforme contou à PF o delator Ivanildo Cunha Miranda, o local foi ponto de encontro para recebimento de cerca de R$ 10 milhões em propinas. O delator detalhou que em um destes encontros teria recebido R$ 2 milhões a mando de Puccinelli.

"Chegando lá, eu encontrei duas senhoras, eles me deram o nome, mas com certeza o nome era só fictício, só pré-combinado, eu cheguei lá tinha mãe e filha, na primeira vez, e ela pegou. Essa casa estava em obra, ela me entregou R$ 2 milhões, simples assim, passando pedreiro, tudo, e ela me entregou R$ 2 milhões em uma caixa de isopor, me entregou, eu peguei esse isopor e fui embora para o hotel", revelou.

OPERAÇÃO

Deflagrada nesta terça-feira (14), a Operação Papiros Lama, 5ª etapa da Operação Lama Asfáltica, que investiga o envolvimento de pessoas físicas e jurídicas no esquema de desvio de recursos públicos que totalizam R$ 235 milhões, pelo apurado até o momento pela Polícia Federal.

No total foram cumpridos hoje dois mandados de prisão preventiva, dois de prisão temporária, seis de condução coercitiva e 24 mandados de busca e apreensão.

Além de Campo Grande, os alvos estão localizados nas cidades de Nioaque (MS), Aquidauana (MS) e São Paulo (SP). 

Leia Também