Sábado, 01 de Outubro de 2016

Ficha Limpa

Permanência de cassado em equipe
de Bernal por
8 meses é investigada

MP ainda suspeita que apesar de exonerado, Pedra continua na prefeitura

23 SET 2016Por ALINY MARY DIAS09h:17

O prefeito de Campo Grande Alcides Bernal (PP) terá de enfrentar mais uma investigação. Dessa vez, a apuração foi aberta pelo promotor Marcos Alex Vera de Oliveira, ex-coordenador do Gaeco, e atual promotor da 29ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público.

Bernal é investigado por descumprimento à Lei da Ficha Limpa. O que motiva a irregularidade, segundo apura o Ministério Público, é o fato do prefeito ter nomeado o vereador cassado Paulo Pedra como secretário. O ex-vereador só foi exonerado do cargo oito meses depois de perder o mandato e conforme a investigação ainda continua atuando na prefeitura.

Pedra assumiu cargo de secretário de Governo em setembro do ano passado, quando foi nomeado por Bernal. O processo de investigação de Pedra por compra de votos em troca de combustível já estava em tramitação na Justiça Eleitoral. Na época, ele recebia R$ 7,5 mil, segundo o Portal da Transparência do município.

A cassação de Paulo Pedra e mais dois vereadores saiu em novembro do ano passado, em julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Eles perderam os mandatos porque foram acusados de comprar votos em troca de combustível e também de praticar abuso econômico.

Pedra só foi exonerado por Bernal em julho deste ano, ou seja, oito meses depois da cassação. Situação que configura descumprimento da Lei da Ficha Limpa.

Apesar de ter sido exonerado do cargo, Paulo Pedra continuou atuando como interlocutor de Bernal em negociações com sindicatos, por exemplo, para reajustes salariais. A situação também foi apurada pelo MP, que prorrogou o prazo do procedimento preparatório, instaurando em fevereiro e que venceria no mês passado.

No início desta semana, o promotor Marcos Alex decidiu converter a apuração em inquérito porque segundo ele está provado que Pedra continua exercendo funções na prefeitura.

À reportagem, a assessoria da prefeitura informou que ainda há recurso pendente sobre cassação de Paulo Pedra no TSE e que ele foi exonerado em abril do cargo de secretário municipal em em julho da função de assessor especial. Paulo Pedra não foi encontrado para comentar a apuração.

Leia Também