Sexta, 24 de Novembro de 2017

Papiros de Lama

Investigação da PF tentou prender 7 investigados e Justiça deferiu 4 pedidos

Mandados de prisão foram para Puccinelli, filho dele e mais 2 pessoas

14 NOV 2017Por LUANA RODRIGUES15h:24

A Polícia Federal tentou obter a prisão preventiva de sete pessoas, das 10 investigadas por lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Papiros de Lama, 5ª fase da Lama Asfáltica. Contudo, a Justiça Federal deferiu o pedido de dois mandados deste tipo: um contra o ex-governador André Puccinelli (PMDB) e outro contra o filho dele, o advogado André Puccinelli Junior.

Também foram detidos, mas com mandado de prisão temporária (por cinco dias), mais dois investigados.

Para a PF, embora o dinheiro fosse destinado para Puccinelli, "o caminho percorrido por parte dele continua oculto, dissimulado, o que configura crime permanente de lavagem de dinheiro e demonstra a necessidade de decretação da prisão preventiva dos envolvidos para garantia da ordem pública e da instrução criminal", justificou.

Além da prisão do ex-governador e do filho dele, a polícia também pediu que fossem presos João Alberto Krampe Amorim dos Santos, - dono da Proteco, que já foi preso em outra fase da Lama Asfáltica; André Luiz Cance, ex-secretário-adjunto de Estado de Fazenda, investigado como um dos operadores do esquema; Micherd Jafar Junior, dono da Gráfica Alvorada, empresa que também é alvo da operação; João Roberto Baird - dono da Intel, que teve contrato milionário com o governo estadual; e Antonio Celso Cortez, empresário ligado ao esquema investigado de corrupção.

Apesar das alegações, a 3ª Vara Criminal Federal de Campo Grande optou por decretar apenas a condução coercitiva dos quatro citados.

Além disso, João Mauricio Cance também foi levado a depor coercitivamente, enquanto Jodascil Gonçalves Lopes e João Paulo Calves foram presos temporariamente (prazo de cinco dias), pois, para a polícia, "tiveram um menor grau de atuação nos crimes".

OPERAÇÃO

Deflagrada nesta terça-feira (14), a Operação Papiros Lama, 5ª etapa da Operação Lama Asfáltica, que investiga, desde 2013, o envolvimento de pessoas físicas e jurídicas no esquema de desvio de recursos públicos, que totalizam R$ 235 milhões até o momento. 

No total foram cumpridos hoje, dois mandados de prisão preventiva, dois de prisão temporária, seis de condução coercitiva e 24 mandados de busca e apreensão. Além de Campo Grande, os alvos estão localizados nas cidades de Nioaque (MS), Aquidauana (MS) e São Paulo (SP). 

Leia Também