Terça, 30 de Maio de 2017

Reforma da Previdência

Ônibus voltam para as ruas e novas manifestações começam no Estado

Protestos são contra medida de Temer para Reforma da Previdência

15 MAR 2017Por ALINY MARY DIAS E LUCIA MOREL08h:00

Os ônibus do transporte coletivo de Campo Grande começaram a sair das garagens pouco depois das 7h30 de hoje. Os motoristas cruzaram os braços na madrugada em protesto contra reforma da Previdência, que acontece em todo o Brasil em mobilização de diferentes categorias.

A reportagem flagrou veículos saindo em fila das garagens depois das 7h30. Não há previsão de quando o transporte coletivo será regularizado na cidade.

No início da manhã de hoje, muitos usuários do transporte foram pegos de surpresa. Às 5h30min havia poucas pessoas nos terminais Guaicurus e Morenão, por exemplo, mas que chegaram até lá por meio de carona. “Fui surpreendida. Nem o motivo sei. Eu venho com meu marido e diante da demora tive que telefonar para ele e pedir para retornar. Cuido de pessoa deficiente e devo entrar às 6h30min no trabalho. Isso só atrapalha”, reclamou Rita da Silva Araújo, 58 anos.

Outra passageira que estava revoltada era Maria do Carmo, 48 anos, que aproveitou a carona de Rita. “Temos que rezar para o patrão entender o motivo do atraso”, afirmou.

MAIS PROTESTOS

Enquanto os motoristas encerram a paralisação, outras categorias iniciam protestos. Grupos de manifestantes ligados a Federação dos Trabalhadores em Educação (Fetems) e Movimento Sem Terra (MST) interditam a BR-163, em Nova Alvorada do Sul, desde às 6h30 de hoje.

Congestionamentos na BR-163 (Foto: Divulgação/PRF)

 ​De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), interdição é total e depois de 1 hora de protesto que conta com 200 manifestantes já havia dois quilômetros de congestionamento.

Há manifestações marcadas nesta manhã em frente do Presídio de Segurança Máxima da Capital, na Assembleia Legislativa e na Praça Ary Coelho.

OS ATOS

Em todo Brasil, trabalhadores protestam nesta quarta-feira contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, do Governo Federal, que prevê mudanças na Previdência Social. Entre as alterações está a aposentadoria com mais idade para homens e mulheres.

Em Mato Grosso do Sul, há uma particularidade em relação aos trabalhadores da educação, que iniciam greve a partir de hoje. A reivindicação é por cumprimento de piso salarial nacional e a previsão é que rodada de negociação com o Governo e a Prefeitura da Capital ocorra no fim da semana.

 
  • Fotos: Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • WhatsApp / Correio do Estado
  • Guilherme Auto

Leia Também