Sexta, 30 de Setembro de 2016

ELEIÇÕES 2016

“Nossa cidade precisa retomar o caminho do desenvolvimento”, diz Adalton

Adalton Garcia (PRTB) promete focar no futuro e arrumar a casa

22 SET 2016Por DA REDAÇÃO08h:00

O entrevistado de hoje na série do Correio do Estado com os candidatos a prefeito de Campo Grande é Adalton Garcia, 34 anos, do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro.  Entre as prioridades de sua campanha, está colocar o 0800 da Saúde para funcionar. 

CORREIO PERGUNTA 
Quais são os setores prioritários do seu projeto de gestão?

 

ADALTON GARCIA - 
Entendo que todos os setores são importantes para a comunidade. Saúde, segurança, educação, habitação... todos esses temas devem e serão tratados como prioridades em minha gestão.

Especificamente sobre saúde, qual plano para melhorar o sistema da cidade?
A saúde em todo o país é deficiente, mas em minha gestão implantaremos algumas ações que, acreditamos irá mudar o quadro em nossa cidade. Implantar o 0800 da Saúde, que funcione de verdade, atendimento médico odontológico nos Centros de Educação Infantil (Ceinfs) e Escolas Municipais, praticando assim a medicina preventiva e alcançando um público que normalmente lota os postos de saúde, que são as crianças. Para melhor idade – o projeto médico da família, estabelecer parcerias com setores privados – a exemplo do que já fazem algumas empresas, com atendimento com preços realmente populares. Estas são algumas medidas que tomaremos.

Como pretende impulsionar o desenvolvimento econômico da cidade?
Com incentivos para atrair novos empreendimentos, parcerias para qualificar mão de obra, parcerias para orientar novos empreendedores e para empresas que já existem mas que passam por dificuldades.
Buscar apoio junto aos nossos representantes na esfera federal para atrair essas novas empresas. Campo Grande tem características que podem ser aproveitadas para o turismo cultural e de negócios e é uma área pouco explorada.

Como colocar em prática esses projetos em tempo de crise financeira e baixo crescimento da arrecadação?
Acredito que o país irá reagir economicamente falando – ainda que aos poucos, superada essa fase de indefinição em Brasília, a tendência é a volta dos investimentos e do crescimento e em nosso estado e nossa Capital não será diferente. Além disso, trabalharemos em conjunto com a Câmara de Vereadores, com nossos deputados estaduais e federais e com nossos senadores.  Demonstraremos capacidade de gestão e conquistarem a confiança de investidores e da sociedade como um todo para que todos, enganjados com um mesmo objetivo: o desenvolvimento da nossa cidade.

A cidade passou por um turbulento período político como avalia as consequências para a Capital? 
Sem dúvida as consequências foram as piores possíveis. Nada funciona. A saúde, a educação, a infraestrutura, a segurança, enfim todos os setores foram atingidos. Nossa cidade precisa retomar o caminho do desenvolvimento, o caminho do crescimento, sem deixar os valores “humanos” de lado. Entregar uniformes no meio do ano é inadmissível, postos de saúde sem médicos para atender é imperdoável, a falta de diálogo, de parcerias e de humildade levou nossa cidade a esse caos. Mas acredito que olhar para a frente, planejar o futuro, avaliar as perdas sim, mas focar no futuro, “arrumar a casa” e para isso iremos governar junto com os vereadores, com os segmentos organizados da sociedade, com nossa bancada de deputados e senadores, buscar parcerias para alavancar o desenvolvimento da nossa cidade.

Qual seu diferencial para tornar-se prefeito de Campo Grande?
Sou do povo, sinto-me preparado para ser prefeito, mas sem esquecer minhas origens humildes. Nasci em Três Lagoas, mas sou campo-grandense de coração. Esta terra que acolhe a tantas pessoas de diferentes lugares do país e do mundo, que encanta com seu jeito simples, que apesar de todas as dificuldades, ainda oferece oportunidade àqueles que sonham com um futuro melhor , essa terra que me acolheu de braços abertos e me proporcionou e proporciona ainda grandes alegrias, merece dias melhores e eu conheço a realidade do cidadão que anda de ônibus, que precisa de atendimento médico em postos de saúde, que tem seus filhos em escolas da rede municipal de ensino, e por conhecer essa realidade e por vivenciar essa realidade é que tenho um “diferencial”, não sou homem de “Gabinete”, sou do povo! Tenho experiência em administração e tenho experiência em trabalhos políticos também. Meu pai foi prefeito de Água Clara nos idos de 77 e eu naquela tenra idade acompanhava meu pai e desde então vi que é possível administrar para o bem de todos. Desde aquela época aprendi que fazer o bem, faz bem.

* A quantidade mínima de caracteres estipulada em reunião não foi preenchida pelo entrevistado. Por isso, o espaço utilizado hoje foi menor. 

Leia Também