Segunda, 20 de Novembro de 2017

CAMPO GRANDE

Moradores de áreas invadidas
protestam em frente à prefeitura

Eles pedem para não serem retirados dos locais onde aguardam casas

13 NOV 2017Por MARESSA MENDONÇA E YARIMA MECCHI12h:13

Representantes de cinco áreas invadidas em Campo Grande foram até o Paço Municipal, na manhã desta segunda-feira (13), pedir ajuda ao prefeito Marcos Trad (PSD) para não serem retirados dos locais onde estão enquanto aguardam pela entrega de moradias populares. Isto porque já existe ação de despejo para quatro terrenos invadidos.

Os manifestantes pediram ao prefeito que tente realizar permuta com os proprietários das áreas invadidas: Jardim Samambaia I e II, terreno da empresa Homex e no Distrito de Indubrasil. Eles também ocupam uma área pública no Jardim Canguru.

A ideia é que o município ofereça um terreno de igual valor para os donos das áreas e permita que os grupos permaneçam no local. Ao menos 1.500 famílias estão nessas áreas.

Marcos Trad conversou com os manifestantes e disse que está tentando resolver a questão habitacional. Ele declarou que a Agência Municipal de Habitação (Emha) ficou parada durante quatro anos, durante a gestão anterior.

“Enquanto estavam brigando Olarte, Bernal e vereadores, a habitação ficou parada. Não teve um contrato do ‘Minha Casa Minha Vida’. De 28 mil inscritos na Emha saltou para quase 50 mil em quatro anos. Dobrou o número de pessoas”, disse.

O chefe do Executivo Municipal se reuniu com alguns moradores no gabinete e disse que vai agendar outros encontros com representantes do Ministério Público e com vereadores para verificar a questão da permuta.

“Vocês não têm nada a ver com isso! Essa situação que gerou congestionamento na habitação”, finalizou, Marcos Trad.

 
  • (Bruno Henrique/Correio do Estado)
  • (Bruno Henrique/Correio do Estado)
  • (Bruno Henrique/Correio do Estado)

Leia Também