Terça, 25 de Abril de 2017

CONTRA PEC

Mobilização contra reforma da previdência deve reunir 5 mil pessoas na Capital

Cerca de 22 entidades devem aderir ao movimento no centro da cidade

14 MAR 2017Por VALQUIRIA ORIQUI E TAINÁ JARA17h:35

Em dia nacional de paralisação contra as propostas de reformas trabalhistas e da Previdência Social do governo Michel Temer, a previsão é de que cinco mil pessoas de 22 entidades de Campo Grande participem de paralisação. A concentração será às 8h, na Praça Ary Coelho.

Professores municipais, estaduais, servidores públicos, eletricitários, judiciários, empregados da construção civil são algumas das categorias profissionais que aderiram à mobilização.

Agentes penitenciários farão paralisação de 24 horas, às 8h, em frente ao Presídio de Segurança Máxima da Capital. Dentro das unidades penais, atividades serão interrompidas a partir de 1h, tais como: atendimento aos advogados, oficiais de justiça, banho de sol, visita, assistência religiosa, penais, laborativa, educacionais, atendimento a pauta da justiça e saúde só em caso de emergência e hemodiálise.

Conforme Elvio Marcos Vargas, do sindicato dos eletricitários e coordenador do Comitê Estadual em Defesa da Previdência Social, este será apenas o primeiro dia de uma sequência de mobilizações.

“Terão novas ações futuras, porque a ideia do movimento é derrotar a PEC. Nesse momento inicial o desafio é levar ao conhecimento da população o impacto que essas medidas causarão”, destacou o sindicalista.

Ainda conforme o representante, a reforma não tem efeito positivo. “Todos os trabalhadores serão prejudicados, entre as principais mudanças está o fato de que você passa a aposentar com 49 anos de contribuição e idade mínima de 60 anos. Tem regiões que a expectativa de vida não chega a 60 anos, como por exemplo quem trabalha na construção civil”, defendeu.

Além de Mato Grosso do Sul, outros 22 Estados também aderiram à paralisação.

PROFESSORES

Tanto os professores da rede municipal de Campo Grande quanto os docentes da rede estadual decidiram entrar em greve por tempo indeterminado a partir de amanhã. O motivo principal alegado por eles é a mobilização para derrubar a PEC.

Leia Também