Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Impasse

Ministério diz que Capital não prestou contas desde inauguração de Casa

Município cobra R$ 4,3 milhões e Ministério diz ter depositado R$ 1,4 mi

1 DEZ 2016Por ALINY MARY DIAS12h:00

Todo o impasse envolvendo a possibilidade da primeira Casa da Mulher Brasileira inaugurada no país fechar por falta de recursos foi causado, de acordo com o Ministério da Justiça, por falta de agilidade e transparência da prefeitura de Campo Grande.

Nesta quinta-feira o Ministério se manifestou pela primeira vez sobre o assunto, por meio de nota. Conforme o Governo Federal, o repasse que a prefeitura cobra desde o mês passado só não foi feito porque o município não prestou contas desde a abertura da casa, em fevereiro do ano passado.

O Ministério da Justiça explica que desde que os repasses começaram a ser feitos para prefeitura, antes mesmo da inauguração da Casa, em dezembro de 2014, nenhuma vez o município detalhou como gastou os valores. No total, foram R$ 5,2 milhões repassados para a Capital, segundo a União.

A prestação de contas por parte do município só teria acontecido na última sexta-feira (23), e a partir daí o Ministério da Justiça iniciou o processo de pagamento de repasse.

O Ministério também afirma que até ontem, antes do novo valor do repasse cair na conta, havia R$ 973.241,65 de saldo, o que significa que a falta de pagamento para empresas contratadas pela prefeitura para manter a Casa da Mulher não se justificaria.

Na quarta-feira, o Ministério encaminhou R$ 1,4 milhão para a prefeitura. No entanto, o valor cobrado pelo município chega ao montante de R$ 4,3 milhões. Sobre esse valor a União não se manifestou.

A reportagem encaminhou as afirmações do Ministério da Justiça para a prefeitura em busca de posicionamento, no entanto, até o fechamento desta matéria não obteve retorno.

Leia Também