Terça, 25 de Abril de 2017

PEC 287

Manifestantes interditam ruas do Centro
em protesto contra reforma da Previdência

Ônibus do transporte coletivo só começaram a circular depois das 7h30

15 MAR 2017Por ALINY MARY DIAS E LUCIA MOREL09h:14

O ato nacional contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, que trata sobre a reforma da Previdência Social, mobiliza milhares de trabalhadores em Campo Grande e em outras cidades do Estado. Na Capital, profissionais da educação fizeram passeata pelas ruas do Centro e interditam algumas vias nesta manhã. A estimativa da Guarda Municipal e dos organizadores do protesto é que 20 mil pessoas participam dos atos no Centro. 

A previsão inicial era que os protestos ficassem concentrados na Praça Ary Coelho, no entanto, o grupo se aglomerou na Afonso Pena, em frente à praça, e não há previsão de liberação da avenida, que está interditada nos dois sentidos, entre a 14 de Julho e Rui Barbosa.

Também há interdição na 13 de Maio entre a Barão do Rio branco e a Rua 15 de Novembro. Equipes da Agência Municipal de Trânsito (Agetran) auxiliam na organização do tráfego no Centro.

O ato deve durar toda a manhã e tem participação de sindicatos dos professores que atuam na rede estadual e municipal, além de entidades ligadas à Central Única dos Trabalhadores (CUT). Há previsão de mais protestos à tarde, em outros pontos da cidade como a Praça do Rádio Clube.

Para a professora Jane Matos, de 40 anos, que atua na rede estadual, em Ponta Porã, o movimento pode fazer com que alguns pontos da reforma, que são prejudiciais aos trabalhadores, sejam retirados do projeto.

MAIS PROTESTOS

Motoristas de ônibus do transporte coletivo de Campo Grande também participaram do protesto neste início de dia. Ônibus só saíram das garagens depois das 7h30 e muita gente não teve como chegar no trabalho.

Outras categorias também iniciaram protestos. Grupos de manifestantes ligados a Federação dos Trabalhadores em Educação (Fetems) e Movimento Sem Terra (MST) interditam a BR-163, em Nova Alvorada do Sul, desde às 6h30 de hoje.

​De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), interdição é total e depois de 1 hora de protesto que conta com 200 manifestantes já havia dois quilômetros de congestionamento.

Há manifestações marcadas nesta manhã em frente do Presídio de Segurança Máxima da Capital e na Assembleia Legislativa, promovidas por entidades ligadas à segurança pública. Também há atos registrados em frente às agências dos Correios, em Campo Grande, 

Bancários também participam das manifestações, mas de acordo com o sindicato que representa a categoria, nenhuma agência fechará nesta manhã. A previsão é que haja assembleia à tarde para definir sobre greve e fechamento de agências. 

OS ATOS

Em todo Brasil, trabalhadores protestam nesta quarta-feira contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, do Governo Federal, que prevê mudanças na Previdência Social. Entre as alterações está a aposentadoria com mais idade para homens e mulheres.

Em Mato Grosso do Sul, há uma particularidade em relação aos trabalhadores da educação, que iniciam greve a partir de hoje. A reivindicação é por cumprimento de piso salarial nacional e a previsão é que rodada de negociação com o Governo e a Prefeitura da Capital ocorra no fim da semana.

 
  • Foto: Lucia Morel/Correio do Estado
  • Foto: Whats/Correio do Estado
  • Foto: Divulgação/PRF
  • Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Foto: Whats/Correio do Estado
  • Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado

Leia Também