Sábado, 25 de Março de 2017

Campo Grande

Estoque de remédios sobe de 30%
para 62% em menos de três meses

Capital pretende gastar mais de R$ 18 mi com medicamentos em 2017

18 MAR 2017Por ALINY MARY DIAS E NATALIA YAHN09h:20

Mais um lote de medicamentos foi entregue por empresa à prefeitura de Campo Grande. Com o montante de remédios que chegou hoje à farmácia central da cidade, a prefeitura estima que o estoque passou de 30% existente em janeiro para 62%.

Nesta manhã, o prefeito Marcos Trad (PSD) acompanhou a chegada de mais um lote de remédios. A empresa Comercial Rio Clarense entregou medicamentos sedativos, calmantes, morfina e remédios para controlar diabetes e enjoo.

A prefeitura possui dívida de R$ 250 mil com a empresa, valor que deveria ter sido pago no ano passado. A entrega de hoje só foi possível em razão das negociações que a prefeitura tem feito com cerca de 24 empresas do setor.

Coordenador da farmácia central, Américo Basílio Nogueira afirmou que desde outubro as entregas de remédios não estavam sendo feitas e, por isso, a Capital sofreu com desabastecimento em 2016.

Apesar de no início do ano o estoque da farmácia central estar baixo, em 30%, as unidades de saúde tinham remédios que somavam 67% da capacidade dos estoques. Atualmente, a prefeitura estima que a média seja de 75% nas unidades e 62% na farmácia central.

“Esses medicamentos são essenciais para o funcionamento das unidades de saúde, sem isso elas podem fechar”, conta.

LICITAÇÕES

Para evitar que a mesma situação do ano passado se repita neste ano, a prefeitura já iniciou o procedimento licitário para contratar novas fornecedoras de remédio, tendo em vista que os contratos vigentes vencem em agosto.

A expectativa do município é abrir a concorrência no próximo mês ou no máximo em maio. O procedimento deve durar 90 dias e assim que os contratos atuais venceram, a prefeitura pretende comprar mais remédios.

Os valores gastos nas compras de medicamentos este ano devem somar o montante de R$ 18,3 milhões, contra R$ 12,5 milhões gastos do ano passado. 

Leia Também