Domingo, 19 de Novembro de 2017

Anel Viário

Erosão e buracos se espalham
por obra inacabada em Campo Grande

Faltam ainda repassar R$ 9,1 milhões para empreiteira da obra

13 SET 2017Por DA REDAÇÃO06h:00

A empreiteira Anfer, contratada em 2011 para construir dois lotes do Anel Viário de Campo Grande, terá muito trabalho pela frente, caso a retomada das obras, conforme anunciou a Prefeitura de Campo Grande em 30 de agosto, ocorra em breve.

É que o trecho entre as rodovias MS-010 e BR-163, paralisado desde 2013, além de repleto de buracos no asfalto já pronto, é ameaçado pela erosão.

Uma grande cratera avança na pista que liga as saídas para Rochedinho (MS-010) e para Cuiabá (BR-163), conforme flagrou, na manhã de ontem, o repórter-fotográfico Valdenir Rezende.

Também há problemas, como buracos na pista, em outra área ainda não concluída: a que liga as saídas para Rochedo (MS-080) e Rochedinho (BR-010).

A Prefeitura de Campo Grande não informou se os R$ 9,1 milhões que ainda não foram repassados à Anfer serão suficientes para concluir o trecho de 24 quilômetros de asfalto e ainda corrigir os problemas verificados em locais onde os serviços já foram realizados. 

*Leia reportagem, de Eduardo Miranda, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Leia Também