Terça, 21 de Novembro de 2017

Em liberdade

'Estou tentando esquecer', diz agente penitenciário que matou jovem em show

Joseilton de Souza Cardoso, 37 anos, atirou e matou rapaz de 22 anos

16 OUT 2017Por LUANA RODRIGUES15h:40

Em liberdade desde a última terça-feira (10), o agente penitenciário Joseilton de Souza Cardoso, 37 anos, indiciado pelo assassinato de Adilson Silva Ferreira dos Santos, 23 anos, disse hoje (16) que ainda não está em condições de comentar o caso.

O crime foi no dia 24 de setembro, durante um show no estacionamento do Shopping Bosque dos Ipês, em Campo Grande.

Questionado pelo Portal Correio do Estado sobre sua versão dos fatos, o agente disse que prefere não conceder entrevista neste momento. 

Por telefone, o agente afirmou que ainda está muito abalado com o que houve e finalizou dizendo: "estou tentando esquecer tudo".

A prisão de Joseilton foi revogada pelo juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, Carlos Alberto Garcete de Almeida, na semana passada. Na decisão, o magistrado determinou que o agente cumpra medidas cautelares como o comparecimento por mês em juízo, até o dia 5 de cada mês, para comprovar o endereço fixo. 

Cardoso teve ainda o direito de porte de arma suspenso até o final do processo e, caso descumpra alguma determinação do juiz, voltará para a cadeia. 

Para a concessão da liberdade, Garcete considerou que os motivos que levaram a prisão preventiva do agente “não mais existem”, levando em conta, ainda, profissão definida, residência fixa, que facilita intimições futuras, e também que ele não representa riscos à sociedade. Ele está afastado das funções no presídio federal.

“Não há indícios de que o requerente seja pessoa agressiva ou possa vir a agredir ou ameaçar possíveis testemunhas, de forma a manter sua prisão com fundamento na conveniência da instrução criminal”, ponderou o magistrado.

O agente penitenciário permanece recebendo salário do governo federal. Em setembro, de acordo com o portal da transparência, os vencimentos dele foram de R$ 6.406,35 (bruto). Ele ainda recebeu R$ 458 de verba indenizatória.

Adilson Silva Ferreira dos Santos, 22 anos, era pai de uma menina e morreu com tiro no peito. Foto: Bruno Henrique/Correio do Estado

O CASO

Adilson dos Santos foi morto por tiro disparado pelo agente penitenciário federal na madrugada do dia 24 de setembro. Testemunhas mencionaram que a discussão entre os dois começou porque um queria ir no banheiro na frente do outro.

Depois de bate-boca,  na versão de Joseilton, Adilson o teria agredido. Para revidar, ele sacou a arma e disparou contra a vítima. O tiro acertou o peito do rapaz. O agente foi preso em flagrante e levado para delegacia. A arma que ele usava, uma pistola .40, foi apreendida.

Leia Também