Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Rede de exploração

Adolescentes são convidadas para viagem e acabam em casa de prostituição

Aliciadora convidou jovens para ir a praia, mas as levou para o interior paulista

30 NOV 2016Por GLAUCEA VACCARI19h:40

Duas adolescentes campo-grandenses, de 16 e 17 anos, foram vítimas de rede de exploração sexual e levadas por uma aliciadora para uma casa de prostituição em Mogi Guaçu, no interior de São Paulo. Elas conseguiram fugir e devem retornar amanhã para Campo Grande.

De acordo com a investigadora da Polícia Civil Maria Campos, mãe da adolescente de 17 anos registrou boletim de ocorrência pelo desaparecimento da menina, relatando que ela saiu de casa no dia 24 de novembro, dizendo que iria tomar banho de piscina na casa de uma amiga e não retornou.

Irmã da adolescente disse para a mãe que ela teria ido viajar para a praia, no Rio de Janeiro. Ontem, menina ligou para a mãe desesperada, informando que teria sido abusada sexualmente.

Na delegacia, investigadora conseguiu rastrear a ligação e constatou que a adolescente estava próxima de Campinas e informou a Polícia Civil local sobre o caso.

Durante investigações, foi constatado também que ela estava acompanhada de outra adolescente, de 16 anos, que havia dito para a mãe que ia estudar na casa de uma amiga. Mulher ainda não havia feito boletim de ocorrência porque não sabia que a filha não estava no local que disse que estaria.

Durante a noite, Polícia Militar de Mogi Guaçu acionou o Conselho Tutelar informando que duas adolescentes foram encontradas no pedágio.

Na delegacia local, elas informaram que foram convidadas para ir a praia por uma mulher, de 22 anos, e foram ao local em um caminhão, de carona com o cunhado da suspeita.

Em Mogi Guaçu, elas encontraram uma mulher de 38 anos e foram levadas para uma casa. Lá, foram informadas que estariam devendo R$ 3 mil e deveriam fazer programas para quitar a dívida. Elas relataram ter sofrido abuso sexual durante os dias que passaram na casa.

Depois de passar alguns dias na casa, elas conseguiram fugir e pediram ajuda no pedágio. A jovem de 22 anos que convidou as meninas para a praia também foi atrás e ficou no mesmo abrigo.

Conforme a investigadora, foi pedida a prisão da mulher, porém, hoje as adolescentes mudaram a versão e disseram que não abuso. Como a mulher não foi apontada como suspeita pelas vítimas, a prisão não pôde ser feita.

No entanto, segundo a polícia, a de 17 anos mandou mensagem para a mãe dizendo que foi obrigada a mudar a versão porque foi ameaçada pela mulher, que estava no abrigo se passando por vítima.

Adolescentes serão trazidas para Campo Grande amanhã a tarde e devem chegar durante a noite ou madrugada quinta-feira (24). Elas passarão por exame de corpo de delito e serão ouvidas para saber como conheceram a aliciadora e demais detalhes.

Polícia continua monitorando as suspeitas e investiga se o grupo fez outras viagens levando adolescentes para se prostituirem no interior paulista, sob falso pretexto.

Investigadora fez ainda um alerta para que os pais procurem sempre saber onde os filhos estão indo e procurem sempre conversar com os pais dos amigos, para evitar que mais jovens sejam aliciados.

Leia Também