Sábado, 01 de Outubro de 2016

25%

Petrobras reduz plano de investimento
para US$ 74,1 bilhões em cinco anos

20 SET 2016Por G110h:19

O Conselho de Administração da Petrobras avaliou que seu Plano de Negócios e Gestão 2017-2021 será de US$ 74,1 bilhões. O valor é 25% menor que os US$ 98,4 bilhões previstos para o plano do período anterior, anunciado em janeiro deste ano. Os dados foram divulgados na manhã desta terça-feira (20), por meio de um comunicado enviado ao mercado.

"A carteira de investimentos do plano prioriza projetos de exploração e produção de petróleo no Brasil, com ênfase em águas profundas. Nas demais áreas de negócios, os investimentos destinam-se, basicamente, à manutenção das operações e à projetos relacionados ao escoamento da produção de petróleo e gás natural", afirma o comunicado.

Analistas ouvidos pela agência Reuters aguardavam investimentos até 2021 de cerca de cerca de US$ 80 bilhões.

O plano apresentado também inclui a "vendas de ativos", chamada de desinvestimentos. De acordo com a companhia, estão previstos US$ 19,5 bilhões de "parcerias e desinvestimentos" entre 2017 e 2018.

A petroleira prevê que essas iniciativas, associadas a uma geração operacional de caixa estimada em US$ 158 bilhões, permitirão à Petrobras realizar seus investimentos e reduzir seu endividamento, sem precisar fazer novas captações.

Produção
A companhia afirmou que espera alcançar uma produção total de óleo e gás, no Brasil e no exterior, de 3,41 milhões de barris de óleo equivalente por dia em 2021: 2,77 milhões de barris por dia de óleo e líquido de gás natural no Brasil.

Gestão
No comunicado, a Petrobras disse que será adotado um sistema de gestão baseado na meritocracia, acompanhamento sistemático e correção de desvios, com o objetivo de "garantir a disciplina na execução das iniciativas e no alcance das metas estabelecidas no Plano de Negócios e Gestão".

Planos anteriores
O Plano de Negócios e Gestão 2015-2019, anunciado em junho de 2015, previa inicialmente US$ 130,3 bilhões em investimentos, uma redução de 37% na comparação com o ano anterior.

Depois, foi reduzido para US$ 98,4 bilhões, queda de US$ 32 bilhões ou de 24,5% ante a projeção inicial, principalmente devido à otimização do portfólio de projetos e do efeito cambial, em meio a preços do petróleo mais baixos.

No plano para 2014-2018, a companhia chegou a prever investimentos de US$ 220,6 bilhões.
Na ocasião, a companhia informou que o plano tinha como "objetivos fundamentais a desalavancagem da companhia e a geração de valor para os acionistas".

Leia Também