Terça, 19 de Setembro de 2017

Alerta

Coreia do Norte mostra novos mísseis e critica a 'histeria militar' dos EUA

15 ABR 2017Por Folhapress19h:00

A Coreia do Norte alertou os Estados Unidos, neste sábado (15), a acabar com sua "histeria militar" ou enfrentar a retaliação, enquanto navios e porta-aviões americanos se dirigem à região ante temores de que Pyongyang realize mais uma prova nuclear.

O país apresentou novos mísseis de longo alcance e submarinos durante o desfile que comemora o 105º aniversário do fundador do país, Kim Il Sung.

Segundo especialistas, as armas apresentadas podem ser mísseis balísticos intercontinentais ou só maquetes de projéteis ainda em desenvolvimento.

Esta foi a primeira vez que o governo norte-coreano apresentou armas que podem ter alcance de mais de 1.000 km em uma parada militar.

A tensão na região aumentou desde que as forças navais americanas lançaram mísseis Tomahawk sobre uma base aérea síria na semana passada, em resposta a um letal ataque com armas químicas de Damasco.

O alerta norte-coreano, divulgado pela agência de notícias estatal KCNA, foi feito quando o líder Kim Jong Un chegou à praça Kim Il Sung, em Pyongyang, para a parada militar que marca o chamado "Dia do Sol".

Soldados e bandas de marcha enchiam a praça, próxima ao rio Taedonggang, sob o sol da primavera, enquanto tanques e sistemas de foguetes aguardavam pela parada.

Os mísseis foram o principal tema da celebração comandada por Kim Jong Un, que fez questão de cumprimentar o comandante das Forças Estratégicas, ala dos militares que cuida do arsenal de mísseis do país.

"Todas as ações provocativas dos Estados Unidos nos campos político, econômico e militar para seguir com sua política hostil contra a DPRK serão frustradas por uma severa reação do exército e do povo de DPRK", citou a agência de notícias KCNA, atribuindo a fala a um porta-voz do comandante geral das Forças Armadas.

DPRK é a sigla, em inglês, para o nome do país: República Popular Democrática da Coreia.
"Nossa reação mais dura contra os EUA e suas forças será executada de forma tão impiedosa que não permitirá a nossos agressores sobreviver", acrescentou.

O porta-voz disse que a "grave histeria militar" do governo Trump chegou a uma "fase perigosa que já não pode ser ignorada".

Do outro lado, os Estados Unidos afirmou que a política de "paciência estratégica" com a Coreia do Norte terminou.

Ao contrário do que já foi visto em outras paradas militares, não foi notada a presença de nenhum oficial da China. O país vizinho é o único aliado da Coreia do Norte, mas já criticou os testes nucleares comandados por Kim Jong Un e aprovou as sanções das Nações Unidas.

Na sexta-feira a China alertou que a tensão poderia estar chegando a um a um ponto de não retorno.

Leia Também